Domingo, 1 de Fevereiro de 2009

Uma Estranha no café..


Olá a todos, Este é mais um conto verídico e deveras excitante (para mim foi). Eu sou um jovem de 30 anos solteiro e bom vivan, na zona onde eu moro tenho suscitado alguma curiosidade da vizinhança e tenho vindo a integrar-me bem. Todos os dias pela manha vou tomar pequeno almoço num café aqui na minha rua que fica a caminho do comboio, sempre encontrei por lá a Lu (o nome sei agora :)), uma mulher mais ou menos da minha idade, mulata bonita e corpo bem definido, é para mim desde o nosso primeiro trocar de olhar um mistério tal como para ela. Em todas as ocasiões fomos olhando e flirtando existia sempre alguma força que impedia a nossa comunicação até há bem pouco tempo... Um dia caminhamos juntos para o comboio parecia que um de nós tinha de dar o passo para quebrar o gelo, a situação manteve-se até entrar no comboio e sentarmo-nos frente a frente com um largo sorriso de cumplicidade. Ela deu o primeiro passo e disse "hoje está um calor terrível" e eu concordei dizendo "e parece que as noites estão demasiado quentes também" e um sorriso provocador acompanhado com um passar de língua pelos lábios fez com que despertasse uma ponta de tesão entre olhares.
Ela chegando á hora da sua saída disse-me que teria muito gosto de comunicar comigo então eu dei o meu msn e ela o dela. Chegando ao trabalho adicionei e eis que surge uma deusa do outro lado, fomos falando muito sem tocar directamente no sexo apenas usando frases subliminares. Uma bela noite estava eu no msn e Lu disse-me que estava com muito calor e poderia ir até à esplanada e convidou-me para ir eu prontamente aceitei coloquei um bom perfume e aí vou eu. A noite estava realmente quente e transpirávamos não só de calor mas também de tesão. Decidi então acompanha-la a casa. Chegando á porta do prédio ela tropeçou e eu agarrei-a ela abraçou-me como se fosse cair de um precipício beijando-me de imediato deixando-me louco. Meio encabulado eu despedi-me dela e marquei encontro no msn mais tarde. Já no msn ela pediu que eu liga-se a minha web cam e eu disse que só trocando. Assim fizemos a primeira imagem que tenho dela é uma lingerie sexy branca muito pequena, fiquei logo "todo aceso" ela confessou que gostaria muito de estar comigo pois o seu corpo sentia um fogo enorme, confessei que sentia o mesmo. Ela foi masturbando-se para mim até que eu num rasgo de valentia me convidei a ir a sua casa.
Chegando lá tão rápido como o super homem, toquei, subi e fui recebido com um longo beijo e um caminho de velas até á casa de banho onde uma banheira cheia de espuma e umas flutes de champanhe despiu-me encaminhando-me para a banheira, lá dentro de frente para mim começou a acariciar os seu seios e sua cona bem tratada (sem um pelo) sentou-se no topo da banheira e abrindo as pernas afasta com os dedos os lábios da sua vulva pede-me que a lamba, eu cheio de tesão rapidamente me delicio com a sua xaninha quente, saborosa atento aos seu gemido de prazer vou chupando o seu clitoris e mordendo os seus lábios fiquei assim até que me levantei e dei o meu pau para ela que louca chupou com mestria, ela olhando para mim enquanto mamava fazia o meu pau latejar de prazer. Ergo a e viro-a de costas para mim penetrando vagarosamente a sua xana com umas estocas fortes e fundas alternando com suaves e demoradas penetrações até que ela pega nele e o coloca no seu cuzinho e com a mão encosta até que eu não consigo entrar mais fundo. Os meus movimentos lentos e a dança das suas ancas me excitam de tal maneira que freneticamente eu acelero os meus movimentos até que sinto suas pernas tremer com um violento orgasmo não resisto e grito que me estou a vir e ela agarra-me não deixando sair. Do meu pau jorram rios de sémen que inundam o seu interior. Foi sem duvida um excelente momento de prazer.... Espero que tenham gostado...

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 17:31
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 29 de Janeiro de 2009

Fodi a amiga da minha mulher


A minha esposa tem uma amiga boa como o milho e todos os dias fazemos a viagem de comboio para o emprego eu ja andava de olho naquele cu mas oportunidades nem ve las ate k a mah mulher mudou de emprego e passei a ir com a amiga de comboio.as nossas conversas eram banais do dia a dia ate k um dia ela me mostra uma foto dela com um top k mal escondia as mamas,nao me fiz de rogado e aproveitei a deixa para lhe dizer.
susana eu desconfiava mas agora vejo k es mto sexy e bastante boa.
deixa te disso to.
e verdade es boa pena tenho eu de nao te poder provar.
la tas tu so pensam nisso vos os homens.
nao susy eu penso nisso ha mto tempo so de te ver de manha ja vou bem imaginativo para o trabalho.
e se eu te desse conversa como irias fazer?
sei la algo se arranjava,mas nao me tentes porque daqui a bocado tas me a dizer nao.
experimenta.
ok dexe cmg em sete rios e entra na casa de banho das mulheres eu irei atras de ti.assim foi ela entra e como nao saiu era sinal k nao estava mais ninguem meu caralho ja estava teso so de pensar k ia fode la ali msm.
entra para o privado e mostra me o teu caralho.
metio de fora os meus 22cm de prazer
foda se k e grande a carla deve ser bem fodida com ele
deixa a mha mulher e meteo na boca molha o bem para te poder foder
ela nao vai de modas e começa a mamar na mha verga cada vez mais tesa e começa um acima abaixo louco tao louco k ela ia se engasgando
deixa susy deixa eu po lo na tua cona
sentei me na sanita e ordenei lhe para se sentar na verga
anda mha vakinha linda senta nele e fode me todo
meteu apenas a cabeça e so depois foi descendo bem devagar senti aqula cona toda a descer no meu caralho estava eu com a boca nos bicos das mamas e ela a cavalgar cada vez mais a mha picha quando nisto eu me esporro todo e ela me diz
da me o teu leite mistura o com o meu tou a gozar nesse caralho oh oh k bem tu fodes mas k rico caralho tu tens.
vestimos e saimos e encontramos duas senhoras um pouco embaraçadas a olhar para nos,nada dissemos e saimos cada um para o seu emprego.hoje continuamos a ir no msm comboio e de vez em quando la vamos nos ver as casa de banho das estaçoes...

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 22:33
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 23 de Janeiro de 2009

O meu homem a dias


Passaram-se já uns 3 meses desde que eu transformei o meu marido (melhor dizendo, ex-marido) numa empregada doméstica. Ele ficou a dormir no quarto da criada (ligado à cozinha) e tratei de o obrigar a fazer todas as tarefas domésticas: lavar e limpar a cozinha e a casa de banho, aspirar, limpar o pó, fazer a minha cama, passar a ferro, ir às compras e cozinhar o que eu lhe mandar para mim e para os meus amigos. Mas não é isso o que quero narrar nesta história. O mais giro é que ele se transformou! A princípio choramingava, depois habituou-se e conformou-se. Mas agora está diferente. Dá-me um grande gozo gritar com ele mesmo a desproposito e ver como ele se põe de gatas a pedir desculpa - não se sabe de quê - e lamber-me os pés como se fosse um cão. Passei a obrigá-lo a usar bata e a servir à mesa fardada. Falei dos meus amigos. Pois bem. Eles gozam com ele (com ela) chamando-lhe criada obediente e mandando ela apanhar guardanapos que atiram para o chão. Eu digo ela porque na verdade eu obriguei-a a transformar-se numa ela. Veste-se como uma mulher, com vestidos, colãs e tudo.Os meus amigos dizem para mim: põe esta cadela a lavar a loiça e vamos fazer uma orgia. Eu gozo que nem uma doida. Depois, quando já estamos relaxados, os meus parceiros mandam-me ir chamá-la ao quarto dela. Lá vou eu acordá-la. Ela fez-nos café e depois de nos reconfortarmos mandam-na tirar a camisa de dormir e a cuequinha. Fica nua, com um penduricalho que é uma pilinha triste e murcha, mais pequeninha do que uma pilinha de porco. Depois, como já estavamos um bocadinho bebidos, começámos a gozar com ela. Primeio mandámo-la por-se a 4 patas. Depois o Pedro (um dos meus amigos) começou a dar-lhe palmadas nas nalgas. Depois eu fui buscar o meu vibrador e enfiei-lho no cu. Quando ela já gemia o André mandou-me parar. Disse: agora ela vai beber. E enquanto ela chupava o André todos os meus amigos se preparavam para a humilhação final. Assim que o André se esporrou para cima dela ela já estava cansada e deitou-se no chão. Foi então que todos eles e eu tamém gritámos: É agora! E pusemo-nos a fazer xixi para cima dela, para a boca fiz eu, eles apontavam para outras partes. Ela chorou, mas amochou. Foi assim que eu transformei o meu homem a dias em mulher a dias e a pus ao meu serviço e dos meus amigos. Gosto tanto de ser fudida por eles! Sou insaciável. Eles às vezes gostam de me ver fazer amor com outra mulher à frente deles, mas eu até gosto. Não me levem a mal por transformar um homem a dias numa mulher a dias mas ela mereceu. Eu sou ao mesmo tempo oferecidinha e obedientezinha para os meus amantes e amigas, mas fui muito mandona para aquela coisa. Beijinhos desta vossa puta.

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 21:45
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 20 de Janeiro de 2009

Desejos GAY


Já tive experiencia com um homem.
Gostei, se bem que o nervosismo pode não ter deixado aproveitar o momento.
Passou-se uns tempos e desejo de ter novas aventuras surgiu de novo na minha vida.
E comecei a frequentar chats bi’s e gays e comecei a conversar bastante com um rapaz (chama-lo de A). Primeiro, no chat, depois no MSN e rapidamente começamos a ligar as cam para vermos um ao outro. Gostávamos do que víamos e rapidamente, criou-se empatia suficiente para combinarmos um café.
Num sábado, encontramo-nos. Nervosos, mas agradados, por finalmente, conhecermos pessoalmente a pessoa que nos fazia ficarmos excitados. Começamos a falar de coisas banais e rapidamente fomos parar ao sexo. O porquê do desejo, ao quanto tempo surgiu, etc. Estávamos contentes até que surge um amigo dele, que tinha boa pinta. Cumprimentara-se e apresentou-me (chama-lo de B). E convidei-o a sentar-se connosco. E sentou-se. Conversamos e A confidenciou que B era um excelente amante, pois tinha sido ele que o tinha iniciado numa relação gay. Fiquei curioso, mas tentei manter postura. Mais uns minutos e B convidou-nos a ir bebermos um copo a casa dele, aceitamos e lá fomos. Ia excitado, nervoso, mas fui. Entramos, uma casa bem decorada, arrumada, e fomos para a sala. Sentamo-nos no sofá e eu fiquei no meio deles. Conversamos um pouco sobre sexo gay, e nisto ele pergunta se pode por um filme para relaxarmos. Engoli em seco, pois imaginava que género ele iria por, e quando começa a dar o filme, vejo que é gay. Ele fecha os estores, fica pouca luz na sala e começamos a ver sexo gay. B desce as calças e começa a tocar-se. O amigo A segue-o e também começa a tocar-se. Eu estava sem jeito e B, diz “Estás nervoso? Precisas de ajuda?” e nisto pega na minha mão e põe sobre pau dele, meio duro. Fechei os olhos de alegria e agarrei-o. A desabotoa minhas calças e começa a acariciar-me o membro. Abro os olhos a aprecio a cena: eu a bater uma a um rapaz, e eu a ser masturbado por outro. Eu com 2 homens. Nem queria acreditar. A além de me masturbar, começa a mexer-me no olho do cu. Meus olhos reviram-se, e B pega na minha cabeça e diz “É melhor mamares-me” e abro a boca a tempo de enterrar-me o pau todo de uma vez pela minha boca a dentro. E começa a foder-me a boca ao seu ritmo. Não tento parar, nem sequer tento tira-lo da boca. O A enterra-me dedo no cu e começa a mamar-me. B diz que já volta e eu e o A pomo-nos a jeito para fazermos um 69, e começamos a brochar em simultâneo, no chão da sala. B volta e diz que também quer participar e põe-se por trás de mim e sinto um liquido frio a escorrer pelo meu rego, seguido dos seus dedos a apalpar-me o olho. Mexe e remexe até que me enterra dedo no cu. Um dedo num vai vem, até que me mete o segundo dedo. Eu com as minhas mãos, tento alargar minhas bordas, para melhor enterrar. Ele sente que estou pronto, e encosta a sua cabeça ao meu olho. A ao ver a cena, diz “Lindo, adoro mamar e ver cu a ser fodido”. E B começa a arrombar-me. Entra a cabeça, gemo e ele pára. “Doeu?” perguntou… não respondo pois não queria parar de mamar o A. Só fiz uns barulhos e ele enterra mais. Gemo mais um bocado, tento alargar minhas bordas o mais possível, até que sem controlo digo “Fode-me como uma puta com cio” e nisto ele agarra-me as ancas e numa estocada, mete-o todo! Paro de mamar e dou grito, de dor e prazer intenso, e retomo a minha mamada. E começo a sentir olho a ser alargado a cada enrrabadela. Eu estava com 2 homens, a ser uma puta sem vergonha, só pedia mais e mais e mais. B pára de me enrrabar e deixa que A me foda, ficando eu de barriga para cima. A põe minhas pernas nos ombros dele e entra facilmente. Rio-me de alegria, pois está a ser divinal. B ajoelha-se à minha frente e enterra-me novamente pau dele na minha boca, e começa a foder-me a boca. Deixa-me varias vezes sem ar, eu babo-me imenso, mas ele sabe o que faz e sabe quando parar.
Nisto trocamos de posição e A senta-se no sofá, eu ajoelho-me a frente dele e mamo-o, lambo-lhe os colhões, o olho do cu, só quero dar-lhe prazer, e B, coloca-se por trás e começa a enrabar-me novamente, com uma velocidade louca, Sinto os colhões dele a bater-me, a barriga dele a bater-ne nas bordas, e começam dizer que se vão vir. Eu digo “ambos têm de ser vir na minha cara, combinado?” ao que ambos concordam. A ameaça ser o primeiro e agarra-me o cabelo eu bato-lhe uma punheta a alta velocidade e sinto a esporra a saltar-me para a cara. Quentinho, sabe bem, e volto a mama-lo, para limpar-lhe o pau. B Chama-me ajoelho-me perante ele, que se tinha posto de pé, faz-me mamar e vem-se na minha boca. Muita esporra me deu ele. Não me esgasguei por pouco, até que cuspi tudo pró meu peito e espalhei com minhas mãos.
Eles pediram para ver meu cu e estava aberto, escancarado a pau de homem sedento de cú. Estava de rastos e feliz. Tinha ali dois homens desejosos de me tratar como uma menina sem vergonha, uma puta pronta a ser usada e esporrada.

Levantei-me, fui à casa de banho voltei e B fodia A. Eles chamaram-me mas fui embora. Apenas mamei uns segundos cada um.

Ficou combinado mais encontros, e já aconteceram.

Pode ser que os conte.

Abraços a todos os homens bons, e às mulheres, que apesar destas experiencia, eu adoro muito.

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 22:42
link do post | comentar | favorito
Segunda-feira, 8 de Dezembro de 2008

Conto erotico de Natal


Como há vários anos, decidimos fazer a árvore de Natal dia 1 de Dezembro.

Cheguei mais tarde, tinha ido comprar uma ligerie vermelha, com ligas e meias de seda.
Cheguei a casa estavas envolto em fios e luzinhas de Natal, com a caixa de bolas e fitas ao teu lado, sentado no chão sorriste.


Sorrateiramente fugi da sala, enquanto te ouvia cantar o Jingle Bells, tomei um duche rápido vesti apressadamente a lingerie e um roupão por cima e fui ter contigo.
Sentei-me a teu lado, perdeste-te com o perfume dos meus cabelos,ainda te distrai com o sino que tocava, e as bolas vermelhas, mas senti as tuas mãos a tentarem entrar dentro do roupão, e no chão, por cima da manta aos retalhos, lareira acesa e montes de bolas coloridas deixei explorares o interior do robe, quando te apercebeste de uma nova lingerie, sorriste com aquele riso safado e despiste-me, ficando-me a fitar com cara gulosa.


Pedi-te para te despires, e tu lentamente te levantas-te, tirando a roupa devagar, dando-me tempo para apreciar e desejar mais.


Ficaste em boxers justos, pretos, sentaste em frente a mim, e começas-te a beijar-me, primeiro suavemente, depois sôfrego, com mais e mais desejo.


Pediste-me para me deitar, vendaste-me, e com muito jeito tiraste-me as meias, beijando delicadamente meus pés, dedo a dedo, sentia a tua língua percorrer os pés, enquanto as mãos os massajavam, e eu imóvel, não me deixavas mexer, as mãos, percorriam agora as pernas, a língua acompanhava o trajecto, eu toda arrepiada pedia mais.
Não foi preciso repetir, passeavas livremente por meu corpo com língua e mãos, até que senti o teu corpo quente junto a mim, tentando acariciar-te fiz um movimento em tua direcção, ao que tu respondeste juntando-me as mãos e com um lenço prendeste-me.


Sem ver e sem poder mexer, desfrutei da tua boca, língua, senti os teus dedos entrarem dentro de mim, arqueei o corpo, já completamente doida, a desejar que me fodesses, pedi, tu não cedeste, querias fazer-me sofrer mais.


Pegaste num pedaço de rama do pinheiro e foste deslizando pelo meu corpo, eu gemia, tu brincavas, e divertido perguntavas-me se queria as bolas, vermelhas ou douradas.
A tua língua apoderou-se de mim, com movimentos suaves e mestria entrava e explorava toda a minha tesão, completamente molhada e louca de desejo estremecia cada vez que sentia os lábios, a língua que brincava com o meu gozo.
Entre gemidos pedi para me foderes, e tu rindo disseste, sim, agora sim.
Deitaste em cima de mim, estavas muito excitado também, senti a possuíres-me, primeiro devagar, depois intenso, fazias-me pedir para mo dares todo, pedi, num controle perfeito davas, e tiravas, até que finalmente o senti todo, com força, cada vez mais rápido, ouvia a tua respiração ofegante.
A partir daí, juro que vi o Pai Natal, o menino Jesus, e até os Reis Magos.

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 19:00
link do post | comentar | favorito

Conto erotico de Natal


Como há vários anos, decidimos fazer a árvore de Natal no principio de Dezembro.

Cheguei mais tarde, tinha ido comprar uma ligerie vermelha, com ligas e meias de seda.
Cheguei a casa estavas envolto em fios e luzinhas de Natal, com a caixa de bolas e fitas ao teu lado, sentado no chão sorriste.


Sorrateiramente fugi da sala, enquanto te ouvia cantar o Jingle Bells, tomei um duche rápido vesti apressadamente a lingerie e um roupão por cima e fui ter contigo.
Sentei-me a teu lado, perdeste-te com o perfume dos meus cabelos,ainda te distrai com o sino que tocava, e as bolas vermelhas, mas senti as tuas mãos a tentarem entrar dentro do roupão, e no chão, por cima da manta aos retalhos, lareira acesa e montes de bolas coloridas deixei explorares o interior do robe, quando te apercebeste de uma nova lingerie, sorriste com aquele riso safado e despiste-me, ficando-me a fitar com cara gulosa.


Pedi-te para te despires, e tu lentamente te levantas-te, tirando a roupa devagar, dando-me tempo para apreciar e desejar mais.


Ficaste em boxers justos, pretos, sentaste em frente a mim, e começas-te a beijar-me, primeiro suavemente, depois sôfrego, com mais e mais desejo.


Pediste-me para me deitar, vendaste-me, e com muito jeito tiraste-me as meias, beijando delicadamente meus pés, dedo a dedo, sentia a tua língua percorrer os pés, enquanto as mãos os massajavam, e eu imóvel, não me deixavas mexer, as mãos, percorriam agora as pernas, a língua acompanhava o trajecto, eu toda arrepiada pedia mais.
Não foi preciso repetir, passeavas livremente por meu corpo com língua e mãos, até que senti o teu corpo quente junto a mim, tentando acariciar-te fiz um movimento em tua direcção, ao que tu respondeste juntando-me as mãos e com um lenço prendeste-me.


Sem ver e sem poder mexer, desfrutei da tua boca, língua, senti os teus dedos entrarem dentro de mim, arqueei o corpo, já completamente doida, a desejar que me fodesses, pedi, tu não cedeste, querias fazer-me sofrer mais.


Pegaste num pedaço de rama do pinheiro e foste deslizando pelo meu corpo, eu gemia, tu brincavas, e divertido perguntavas-me se queria as bolas, vermelhas ou douradas.
A tua língua apoderou-se de mim, com movimentos suaves e mestria entrava e explorava toda a minha tesão, completamente molhada e louca de desejo estremecia cada vez que sentia os lábios, a língua que brincava com o meu gozo.
Entre gemidos pedi para me foderes, e tu rindo disseste, sim, agora sim.
Deitaste em cima de mim, estavas muito excitado também, senti a possuíres-me, primeiro devagar, depois intenso, fazias-me pedir para mo dares todo, pedi, num controle perfeito davas, e tiravas, até que finalmente o senti todo, com força, cada vez mais rápido, ouvia a tua respiração ofegante.
A partir daí, juro que vi o Pai Natal, o menino Jesus, e até os Reis Magos.

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 19:00
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 26 de Novembro de 2008

O sonho


Como em outro dia qualquer lá fui eu para "a minha praia", de nudismo pois claro.
Um ambiente fantástico, bom tempo, gente alegre e de bem com a vida, enfim, uma tarde inesquecível.
Lá fui eu para mais um passeio junto à água, aproveitando para uns mergulhos refrescantes.
A certa altura, enquanto caminhava, reparei que um homem, acompanhado de uma mulher olhava insistentemente na minha direcção, apesar da distância, vi que acariciava o seu pénis enquanto olhava e a mulher permanecia deitada.
Continuei normalmente e mais à frente, talvez a pensar no que se tinha passado voltei para trás.
Nesse momento, por cima do pára-vento, o homem fez-me sinal como que para me aproximar...fiquei com nervoso miudinho e alguma excitação já visível.
Mais perto deles decidi subir para mais perto, até ficar a uns metros.
Vi então que ele se masturbava agora com mais intensidade e a mulher mantinha-se deitada como até então.
A minha excitação aumentou e o volume também e ali fiquei, sem saber muito bem o que me esperava ou o que se estava a passar.
Instantes depois ele disse "podes estar à vontade!", tremi e o meu pénis aumentou para os limites.
Mas como ele disse eu deixei-me estar à vontade e aproximei-me ainda mais.
Pouco depois já estava a um metro deles.
Era um homem cinquentão, bem parecido e ela um pouco mais nova e com um corpo fantástico e moreno, nádegas firmes e redondas e uns seios grandes e tesos.
O clima estava "a ferver" e ele continuava a olhar para mim, ao mesmo tempo que comentava ao ouvido dela alguma coisa...eu apenas "massajava" lentamente o meu pénis.
A certa altura ela olhou, obvservou-me e "tioru as medidas".
Mantivemos uns minutos este impasse, com troca de olhares e cada um a masturbar-se muito lentamente e difarçadamente, pois mais gente andava por ali.
A mulher troca de lugar com o homem e fica agora próxima do pára-vento, mexendo numa bolsa.
O calor da praia não era real para mim, estava numa situação de máxiam excitação, tendo ali ao pé uma mulher para realizar um sonho e um homem que pretendia algo do género.
Após uma troca de posições e palavras, eis que ele me acena para me sentar entre ambos, passando-me um preservativo que de imediato coloquei.
O homem manteve-se deitado a encobrir a vista e eu passei de imediato para cima dela.
Massagei-lhe o clitóris, sentindo que estava já toda húmida e de seguida introduzi tudo o que tinha e o que não tinha, iniciando uns suaves movimentos de vai-e-vem, para não ser muito exposto na praia.
Seti o seu calor e o homem ao lado conversava com ela, perguntando se estava a gostar, ao que ela diz que sim.
Gemia, gemia muito e tive de me esforçar para não me vir logo e dar-lhe bons momentos de prazer...
Assim foi e no final sai do local, até hoje não mais os vi, mas s elerem este conto contactem, Foi fantástico!!!

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 14:19
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 21 de Novembro de 2008

A Frincha da Porta eu Entrei em casa, era tarde e ...


Entrei em casa, era tarde, uma madrugada quente, como se o ar não circulasse... Pensei que a Rita já dormisse. A porta do quarto dela estava encostada e ao passar pelo corredor ouvi uns gemidos abafados, timidos... estranhei. A curiosidade levou-me até à porta dela.

Pela frincha vi algo que me repugnou, mas logo de seguida me senti muito molhada. o que eu via era meus caros um deleite para qualquer olhar... a Rita estava deitada sobre a cama só de cuequinha, uma cuequinha inocente e muito infantil. A amiga dela estava a lamber-lhe a barriga, enquanto lhe tocava só com as pontas dos dedos o interior das suas coxas. ela contorcia-se de olhos bem cerrados, e gemia a medo, talvez envergonhada pois seria a primeira experiencia lésbica dela... a amiga começou a apertar-lhe os bicos dos peitos que já estavam muito tesos, ela suava de prazer. comecei por desapertar as calças e meti minha mão dentro da minha cona. masturbava-me vendo aquele momento. Queria-me juntar, mas sentia-me mais atesuada vendo apenas sem ser vista.

A amiga começou a lamber-lhe os bicos, ora sugava-os ora trincava-os fazendo Rita ferrar o lábio. Eu estava enxarcada e já transbordava a minha cuequinha aquele suco de tanto que jorrava de dentro de mim. A amiga já sabia o que fazia, e "violava" uma inocente que estava a deleitar-se com o manjar de que era alvo. Ela desceu, Rita continuava deitada de olhos fechados. Com os dentes desceu-lhe a cueca e começou a lamber-lhe a testa...e a beijar o clitoris...dava pequenos beijos que a levavam a suspiros e a convulsões. abriu-lhe as pernas e começou um minete muito bem feito, lento e quente como qualquer mulher adora. Eu queria ser a Rita, eu queria juntar-me. Continuei a observar. A Rita foi virada, a amiga fez-lhe um excelente botão de rosa enquanto a masturbava, ouvi-a a vir-se num grito sufocado, ferrou a almofada.

A amiga envergou um vibrador, meteu um dedinho na boca e molhou-lhe o cuzinho...que já se comprimia e descomprimia de vontade de ser desvirgindado. Enfiou-lhe a cabecinha e ela gritou, a amiga fez um XXUUUU para ela se calar, e disse-lhe "Morde agora a almofada bem forte", Rita assim o fez, e a amiga enfiou-lhe com muita força. Parou lá dentro, e voltou a masturba-la, começou com o movimento de vai vem e Rita torcia-se de tanto gozo... "Vais-te esporrar na minha boca." disse a amiga, e Rita aguentou mais o orgasmo. A amiga alternava agora entre a cona e o cuzinho com o vibrador...Rita já gemia tão alto que me estava a por louca de vontade. Nisto a amiga virou Rita e fez-lhe outro minete enquanto lho metia ora no cuzinho ora na cona. Rita arfava por todos os lados, eu masturabava-me tentando que não dessem pela minha presença. Rita gemeu muito alto, começou aos estremeções, os músculos atrofiavam e ela em extase veio-se para a boca da amiga que engolia todo aquele suco e gosma como se estivesse como muita sedinha.

Eu vim-me também... Fuji para o meu quarto com medo que me tivessem visto. Adormeci a pensar em tudo aquilo que tinha presenciado. Senti, de manhã, alguémn entrar na minha cama, meter-me a mão na cona (sim dormi nua) e dizer-me ao ouvido " gostaste de nos ver ontem?" sustive a respiração e não respondi, ela muito violentamente me tocava e enfiava dedos e dizia "Também queres ser comida é?"... Estava toda nua, senti mal se deitou em cima de mim e roçou com a sua cona na minha, lambia-me os bicos e eu estava a gozar imenso.

Pedi-lhe o vibrador, ela chamou a Rita dizendo tras o brinquedo. Rita entrou e ela amarrando-me as maos, eu de barriga para baixo disse "Rita, tens de aprender a dar prazer também. Vá enraba-a forte, sem medo..anda!" A amiga cuspiu-me no cuzinho e enquanto me pos de quatro e se meteu por baixo de mim Rita a medo mo metia lentamente. Sentia a lingua quente de uma, o meu clitoris já saltava e sentia que ia pegar fogo, o meu cuzinho só se dava, não se comprimia nem um pouco. Berrei a Rita "Mete fundo sem medo sua puta!" E ela assim o fez.

Aquelas investidas mais a lingua safada e rápida da amiga me fez ter uns multiplos sem conta...suada deixei-me ficar na cama, elas deitaram-se ao meu lado. Era hora do banho. E fomos as 3 tomar aquele maravilhoso banho...

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 19:31
link do post | comentar | favorito
Domingo, 16 de Novembro de 2008

Amiga Carente


Sou amigo da Helena a mais de 15 anos.
Ela é uma mulher já na casa dos trinta e como somos muito amigos sou seu confidente.
No principio desta semana ela me ligou e disse que precisava falar comigo com urgência e pensei logo que seria o problema com o marido dela, uma pessoa que nunca gostei em momento algum da minha vida, mas como ela gosta tudo bem.
Chegou em minha casa e foi logo sentando no sofá e começou a desabafar e reparei que lhe enchia os olhos de lágrimas narrando o acontecimento. Ela me contou abertamente que ele estava com pouco apetite sexual depois de que ela teve o filho e que nem era mais procurada por ele por mais que ela se insinuasse. Olha que posso lhes dizer que ela alem de ser minha amiga do coração nunca lhe tinha olhado de outra forma. Ela continuou falando sem parar, eu só observava o seu jeito já conhecido de falar energicamente, nisso se levantou e no meio da conversa me perguntou
- será que fiquei muito mal depois de ter o meu filho?
Eu olhei para ela em pé a minha frente e disse logo que não, mas ela não parou por aqui:
- será que sou incapaz de dar tesão ao meu marido?
- olha que vou te dizer uma coisa: do jeito que estas provocante hoje, até a mim estas dando tesão! E dei um sorriso.
Ela de imediato me respondeu:
- mas de ti eu não podia esperar outra resposta!
- não sei porque! Eu também sou homem como todos!
- mas tu és meu único amigo, aquele que posso confiar!
- sim mas não sou de ferro! Daqui a pouco arrebento o fecho das calças se continuares assim!
De facto ela sempre foi gostosa, morena de estatura mediana, rosto angelical, belos seios, cabelos negros e lisos, boa bunda tipo file, e então ela parou e olhou para a minha cara e ficou vermelha e para se compor pediu para ir ao banheiro, no entanto tocou o meu telefone e fui atender onde tratei rapidamente do assunto e fui em direcção a minha suite onde quando entrei no banheiro dei de cara com ela sentada no trono e com uma mão por dentro da saia e a outra na boca numa masturbação fervorosa que nem notou a minha presença. Eu logicamente de pau duro olhei para ela que abriu por um instante os olhos e deu de cara comigo alisando o pau por cima da calça onde ela conferiu e me chamou para perto dela,
- peço desculpas por isso, mas é que já nem me aguento só de falar no meu problema e ninguém mais indicado do que tu para me ajudar a resolver isso!
Se levantou e veio na minha direcção onde me deu um beijo na boca enquanto acariciava o meu pau com uma das mãos se tirar a outra da buceta. Me empurrou para fora do banheiro me levando para o meio do quarto onde foi para cima da cama e levantou a saia e por cima da lingerie apertou com força a buceta e me ofereceu para ser usada e abusada! Nisso tirou toda a roupa ficando em lingerie e se deitou na cama. Foi uma visão dos céus ver aquela morena linda deitada na minha cama branquinha. Deitei ao seu lado só de cueca e comecei a alisar o seu corpo e com beijos da boca para baixo chegando aos seus seios perfeitos mesmo depois de amamentar o filho. Ela retribuiu acariciando minha piroca por cima da cueca e paramos um instante para tirarmos o que nos sobrava e fui logo caindo de boca nos seus seios e ela dava suaves gemidos a medida que ia beijando tudo que podia. Ficamos assim por algum tempo e acabamos por nos colocar de joelhos na cama de frente um para o outro e ela pediu para que me pusesse de pe onde começou a beijar o meu corpo na zona da virilha, saco e suavemente colocou a cabeça da minha piroca na boca e começou a chupar sempre segurando no meu saco. Ora tirava meu pénis da boca e passava a língua por toda a sua extensão e engolia novamente e tirava batendo com minha piroca em seu rosto. Foi uma mamada gostosa e com calma onde eu sentia minha piroca inchar e crescer cada vez mais. Ficamos assim alguns instantes e ela se deitou na cama e rapidamente abriu as pernas onde me posicionei a sua frente ajoelhado e comecei a chupar a sua buceta que ai sim, foram arrancados longos gemidos da minha amiga.
- meu marido nunca me chupa! Que loucura!!!
E não parava de gemer até que ela mandou eu me deitar e deu mais uma lubrificada no meu cacete e veio montar que não houve muita resistência porque alem de apertada estava muito lubrificada. Entrou pouco mais da metade de uma só vez o que fez com que ela gemesse a cada estocada. Helena começou movimentos cadenciados acostumando a sua vagina ao volume e só me pedia para não parar de lhe fuder, até que ela começou a se concentrar em enfiar cada vez mais mas o seu pequenino útero não aguentava com tais dimensões. Não é que eu seja como muitos aqui que dizem que tem verdadeiras trombas, tenho um dote de 22 cm e com uma largura de 7 cm e grosso.
Ela não parava e desmontou se colocando deitada de lado para ver se conseguia engolir mais, mas era inevitável porque não havia hipóteses. Fiquei comendo ela de lado até que ela se colocou de quatro e foi uma visão linda ver a minha amiga com aquele corpo todo bem feito e uma marquinha de bronzeado com o cuzinho olhando para mim e a piscar.
Meti na sua boceta enquanto ela continuava gemendo e via pelo espelho do armário a cada estocada os seus lindos seios balançando e sua cara de safada. Eu ia dando uns tapinhas na sua bundinha linda e senti que ela estava tendo o seu primeiro orgasmo que lhe levou a gemer com força quebrando o silencio do quarto.
Disse a ela que também estaria perto e fui lhe lamber a buceta e como sempre passei a língua no cuzinho também, como sou um fissurado em sexo anal foi inevitável. Ela deu um suspiro forte e olhou na minha cara
- não me digas que tu gostas de cu?
- claro que sim, penso que todo homem gosta!
- o meu querido diz que é porcaria!
- então vamos virar porcos agora?
- sim, mas tens de ter paciência porque ai só meto o meu vibrador que não é tão grande como a tua piroca!
- então o teu marido nunca te enrabou?
- não!
E voltei a passar a minha língua naquele botão cor de rosa lubrificando ao máximo e enfiei o dedo médio até ao fundo e ela começou a gemer novamente e iniciou uma masturbação dando cabo do seu grelo e pude sentir escorrer lubrificante da sua boceta que aos poucos ia buscando e passando no cu dela. Eu me posicionei do seu lado e ela foi chupando novamente minha piroca lubrificando com tanta saliva que deixou ela brilhando. Era uma cena linda ver a minha amiga e agora também amante com uma fome medonha ali a minha mercê com mais fome de sexo que uma freira! Ela não parava de acariciar a sua buceta e começava a enfiar um, dois e três dedos dentro tirando o seu gozo e colocando no cuzinho que estava prestes a ser comido.
Me deitei e ela vaio por cima de costas para mim e foi coordenando todos os movimentos até que colocou a cabeça na porta do cu e foi deixando descer o seu corpo para entrar a cabeça que com calma entrou bem.
- olha que o teu cu é mais aberto que a tua buceta!
- olha querido, do jeito que eu estou aguento até uma mangueira nele!
Podem ter certeza, isso nunca tinha me acontecido de comer um cu quase virgem mas com uma dilatação fenomenal e comentei isso com ela.
- estavas a espera de que? Não te disse que estou sempre com o vibrador metido nele?
- sim querida mas isso é demais!
- pois é, e tu vais ver que vou aguentar mais no cu que na buceta!
E dito e feito, ela aguentou com tudo só deixando de fora o saco. Fazia movimentos de sobe e desce, uma autentica bate estacas.
Saiu de cima de mim, deu a volta, chupou mais um pouco e veio colocando-se de joelhos para que eu lhe chupasse mais a buceta e o cu e com a minha língua de fora ela foi cavalgando na minha cara que num instante voltou a se sentar de frente para mim metendo novamente no cu. Os seus gemidos foram aumentando como a sua respiração e veio mais um orgasmo violento por parte dela que pediu que quando eu fosse gozar molhasse toda a sua cara e boca.
Não demorou muito mais e me coloquei de pe ao seu lado, ela meteu o que pode na boca e recebeu um banho de esperma naquela garganta quente que acabou por deixar escapar um pouco lhe caindo sobre os seios morenos.
Me deitei ao seu lado cansado e ela começou a me beijar a piroca novamente e fomos tomar banho, onde houve mais uma fodinha em pé, mas isso conto mais tarde...

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 19:15
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 11 de Novembro de 2008

Divinal...com imenso prazer...


Descrever uma das minhas experiências, absulutamente
divinais...Apodera-se de mim um imenso desejo de algo, so
me apetece por-me ao léu!Todos já tinham saido só tinha
ficado eu!Derrepente sinto-te atrás de mim, Tua respiração
no meu pescoço!!!Quase q me vinha ali mesmo esse teu sussurrar
em meu ouvido!!!Puxas-me a saia, baixas-te ali mesmo
arrancas meu fio dental!Tua lingua frenetica na minha
ratinha...eu gemo de tesão...olhas-me enfias teus dedos
em mim...estremeço...Puxas-me contra a parede...sinto
os meus fluidos escorrem pelas pernas...Fiquei anciosa
por mais...queria sentir-te...
Tu como um touro, seguras-me na anca...entras em mimmmm...É
demais entras e sais num vai e vai delicioso...eu não me
controlo nos meus... aiss... óss...uiss...a
velocidade é vertiginosa!!!As minhas mamas abanam...Fodes-me, fodes-me...Sinto-me
quase a desfalecer...Sinto-me perdida...Sinto-te perdido...Estou
quase a explodir!!!Baixas-me de cocoras...enfias-mo
na boca...tão bom que coisa boa!!!Que loucura...Vens-te
na minha boca...Sorrio-te enquanto sinto escorrer em
mim...
Deixo-me escorregar...pernas abertas ali no chão...ouço
o zip das tuas calças...Fazes-me uma festa no meu rosto...

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 19:13
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 4 de Novembro de 2008

No Bar onde Trabalhei


Eu trabalhei num bar tinha 21 anos e tinha(tenho) o habito de correr exercitar o corpo, uso a maxima \"corpus sanus mente sana\", um dia duas colegas minhas decidiram correr comigo.
Eu fiquei feliz pois senti que estava a mudar mentalidades, eis que fomos correr durante 30 minutos e terminamos no bar onde trabalhava, decidimos então que eu seria o primeiro a tomar banho pois ambas estavam cheias de calor e preferia tomar uma bebida fresca antes de ir tomar a tão agradavel banhoca.

Estava eu a tomar banho quando no duche ao lado do meu ouvi a agua a correr e risos, chamei por elas que prontamente me responderam que esperavam que eu me limpa-se para depois sairem,
assim foi terminei e estava quase limpo quando a porta se abriu e vi dois corpos nus e molhados, virei a cara sorri e disse \"que bela banhoca hein\", ouvi sorrisos, fui agarrado e rapidamente remetido para o fundo do compartimento onde cabiam 3 pessoas muito apertadas.
Joga-se então \"pedra e papel\" a dany ganhou e o prémio era eu...
eis que a dany se baixa e agarra o meu sexo (confesso estava hirto) e começa a chupar bem devagar, que bem que ela chupava uma cabrita não só com um corpo bonito mas uma boca maravilhosa.

A magda (embora menos bonita mas de corpo bem rijo) diz deixa um pouco para mim... eu sem acção, atonito deixo-me ir... humm (penso eu que cena louca\" ) a magda entretanto levanta-se e diz à dany olha agora é a nossa vez, deixa o nosso instrutor lamber as nossa ratinhas, a dany sorri e diz \"vamos obrigar\" pega-me no cabelo e obriga-me a descer ordenando-me \"lingua para fora\" eu como obediente que sou, fiz lambi rata da magda e da dany sentindo os seus sabores distintos na minha lingua, estava deliciado, enfiei a lingua naqueles cuzinhos bem lindos e arrebitados que estava perante mim, eis que sinto a minha cabeça novamente puxada para cima e as duas decidem que fica com o meu pau e com o meu cuzinho...

sinto a boca da minha deusa dany no meu pau e a lingua de magda no meu cu...
deliro que tesão que sinto hummm....
a magda levanta-se mais uma vez e pega no meu pau e ordena-me que penetre a Dan, dan vira-se de costas e arrebita o rabinho para que eu consiga entrar no seu sexo quente.

Penetro-a, magda continua a cariciar-me o rabo com as pontas dos dedos e segreda-me aos ouvidos...
\"adoro levar no cu\" o meu cu é teu.
dany vem-se e diz-me agora quero cu... eu baixo-me e preparo-me para chupar o seu cu e magda diz \"para cu é so em mim\" sorriem as duas e viram-me para a mag. e eu fico um tempo a lamber o seu cu ponho um dedo, outro mais outro eis que me diz enfia o teu car...
todo pois estou louca para o ter...
ponho então a cabeça e sinto o meu a ser lambido por dany...
a tesão é tanta que perco as estribeiras e enfio todo de uma vez, mag. contra a parede do compartimento geme baixo \"isso, isso fode-me\" eu fico uns 5 minutos nesta foda deliciosa e grito vou-me vir...
Dany bruscamente vira-me para ela e com a boca diz vem-te na minha boquinha eu não me fiz de esquisito vim-me abundantemente...
o resto já sabem :)

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 01:30
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 31 de Outubro de 2008

Meu Macho me Chama De Maezinha


Devido a um acidente, meu marido ficou paraplégico. Ele era vinte anos mais velho que eu e estávamos casados há catorze anos. O acidente aconteceu dois anos atrás e tinha esperança de que ele voltasse a andar. Assim, continuamente ele tinha um fisioterapeuta e recentemente nós contratamos um jovem atlético para ajudar com os exercícios aquáticos. Meu enteado, Ivan, a quem eu considerava como meu próprio filho, foi fruto do primeiro casamento de Ivo, meu marido e estava com casamento marcado para dentro de um mês. Daniel, o jovem atlético, nos foi recomendado por nossa nora Valéria, que estudava na mesma universidade que ele. Eu nunca imaginaria que eles fossem amantes também! Certo dia flagrei, sem que eles me vissem, os dois se beijando dentro da lavanderia, enquanto meu filho conversava com o pai, sentado a beira da piscina! Imediatamente quis saber quem era aquele salafrário que estava desvirtuando minha nora, pois, definitivamente ela só poderia estar sendo forçada aos desmandos dele! Mas, nova surpresa. Vally, ainda abraçada a Daniel, enfia as duas mãos em cada lado da sunga dele e a abaixa com um sorriso cínico e sensual nos lábios.

Vi que Daniel balançava a cabeça negativamente e tenta soerguer a sunga. Mas, em vão, seu descomunal pênis balança no ar e as mãos de minha nora tomam conta dele! Pra culminar, Vally se ajoelhou na frente de Daniel e rapidamente engoliu com a boca toda a bela coluna genital! Um calor intenso tomou conta de mim que chegou a me faltar ar. Eu não sabia o que fazer. Sair aos berros denunciando os dois? Livrando assim de meu filho continuar sendo corno? Ou esperar quando estivesse a sós com ele e lhe contar tudo? Só não gostaria que Ivo ficasse sabendo daquela porcalhada que acontecia em nossas dependências! Fui até o quartinho que designamos pra Daniel se trocar e vasculhei suas coisas, encontrando um álbum de fotos. Lá estava toda a prova de que Vally e Daniel eram amantes, ou melhor, eles faziam sexo com diversos parceiros! - Meu deus! Minha nora é uma rampeira safada! Desqualificada! Vou ficar com estas fotos! Já na minha suíte vendo as fotos, eu notei que a maioria era da nora com Daniel e outra exuberante mulher de cabelos escuros e muito clara de pele. Era uma das mulheres mais belas que eu já tinha visto. E ela era tão ou mais safada que Vally! Numa das fotografias ela segurava um penis apontado pro seu rosto, enquanto ria para a câmera. Ela estava sentada encima da virilha de alguém e outro mais estava com as coxas encostada nas belas nádegas dela. Via-se claramente que os dois tarugos lhe enchiam os orifícios.

Foi esta a primeira vez que vi um ato de sodomia que eu não julgava possível! Não sei se foi a imagem da bela mulher em estado de graça em êxtase ao ser tomada por três pirocas simultaneamente, somando por eu não estar sendo tocada por meu marido por quase três anos, que eu me senti tremendamente excitada e fui procurar alivio no meu consolo que eu escondia numa das gavetas da cômoda. Eu estava tão doida de excitamento que me imaginava no lugar da Vally e da bela mulher. Naquele momento eu julgava que isso seria o segredo mais bem guardado do mundo. Mesmo que depois eu tivesse que expulsar Vally do nosso convívio. Mas agora eu queria experimentar qual a sensação de ter o anus penetrado e deixar uma tora deslizar por ele! E foi exatamente isso que fiz com meu consolo. Eu própria, aos trinta e quatro anos, deflorei meu cusinho! Não senti todo o prazer que esperava, mas daí em diante eu pensava que seria mais um modo de eu me masturbar, sem ter que cair naquela depravação que eu via nas fotos! Quando desci pra piscina, encontrando todos lá, esperei que Daniel passasse perto de mim e lhe pedi que me ajudasse em preparar um refresco para todos. Já dentro da copa, rispidamente contei a Daniel o que tinha visto entre ele e Valéria e exigi que discretamente eles fossem embora e que nunca mais aparecessem na frente de Ivan. Daniel me surpreendeu com sua gabolice juvenil e numa atitude delinqüente disse que tinha me fotografado quando me masturbava com o consolo enfiado em meu anus, pois meu marido minutos antes, tinha lhe pedido que apanhasse a câmera para tirar fotos daquele dia. A partir daí não me lembro direito o que aconteceu. Mas sei que fui sodomizada pela primeira vez, na copa de nossa casa, a poucos metros de meu marido, meu filho e minha nora por um delinqüente juvenil. Sei que subi as escadas correndo e me preparava para tomar um banho na tentativa de me livrar do esperma que teimava em escorrer do meu cusinho e por entre minhas coxas. Eu me culpava por ter sido tão displicente e ao mesmo tempo por ver que tudo que eu tinha planejado, foi por água abaixo! Agora, aquele fedelho desavergonhado iria fazer de mim gato e sapato! Meu cusinho estava um pouco ardido e eu enfiei um dedo para melhor limpá-lo. Ao toque, parece que uma descarga de eletricidade erótica cobriu meu corpo. Sem pensar, levei minha mão até minha xotinha e iniciei um dedilhamento frenético. Eu sentia que precisava de algo mais. Um só dedo dentro de meu cusinho não era suficiente. Eu precisava da sensação do dilatamento do anus e o conseqüente estofamento do canal retal! Foi neste momento que o delinqüente apareceu a minha frente. Não me perguntem o porque de tais coincidências, mas o certo é que o menino era audaz e sabia se aproveitar das situações.

Para meu enlevo, parecia que ele tinha se tomado de amores por mim, porque a carinha de tezão e ternura que ele fazia quando me encarava e olhava meu corpo, deixaria qualquer mulher envaidecida pro resto da vida. Acho que foi devido a isso tudo que escondi todos meus valores morais e o amor pela minha família, bem no fundo da minha mente e literalmente cai de boca na estupenda rola do meu dominador juvenil. Pela primeira vez na vida suguei esperma de um homem e pela segunda vez, em menos de meia-hora fui divinamente sodomizada! Eu não acreditava que tinha pedido pra ser sodomizada novamente e que estava concordando com tudo com que ele me propunha de perversidade. De repente me dei conta que pouco faltava pra que eu me tornasse tão depravada como a madura mulher das fotos! Envergonhada, mas em pleno estado de êxtase, eu me perguntava como e por que cheguei aquele nível de depravação e submetida a um jovem que poderia ser meu filho!? “Será que eu sempre fui assim...puta? Sim, uma puta! Será que meus pais já sabiam que se eu não fosse domada desde cedo, eu seria a mais depravada das mulheres logo, logo? Foi por isso que qualquer menção a sexualidade me foi reprimida? Eles sabiam que eu era assim? Gostar de ser puta, de dar a bunda? De chupar pau?!” Eu gozei e gozei, chorava e ria ao mesmo tempo. O belo delinqüente fazia seu colosso sexual deslizar num frenético vai e vem pelo meu cusinho até gozar novamente e eu ter a esperada sensação de seu esperma escorrer como lava fervente por entre minhas coxas! Eu permanecia de quatro, mas quase como uma posição fetal, enquanto Daniel saía de dentro de mim e procurava normalizar sua respiração. De repente escutamos um grito e depois vários impropérios. Daniel colocou sua sunga e zarpou da suíte. Eu ainda estava um pouco molenga pra pensar em sair correndo. Portanto fui acabar de me lavar e me vestir. Dez minutos depois, Daniel bateu na porta e ele entrou com meu marido na cadeira de rodas. Ivo tinha uma expressão de tristeza e ao mesmo tempo envergonhada no rosto. - Daniel, nos dê licença, por favor. Mas, não vá embora ainda, está bem? Lea, veja o que me aconteceu! Meu marido retirou a toalha que lhe cobria o colo e vi estupefata que seu penis estava arroxeado de tanta rigidez! - Eu estava dentro da piscina com a Vally e o Ivan e nem vi quando isso aconteceu. Sei que a Vally deu um pulo quando “isto” encostou nela e aí o Ivan se tornou possesso e começou a me xingar, dizendo que eu era um pervertido que não lhe respeitava a noiva, etc. etc. Eu mereço isso, Lea? Ele nem me deu tempo de explicar que eu não sinto nada!

Como um filho pode dizer umas coisas dessas para um pai? E logo a mim! Lágrimas escorreram pelas faces do meu adorado marido, que um dia fora tão atlético quanto Ivan ou Daniel. Eu me ajoelhei ao lado da cadeira de rodas e encostei sua cabeça em meu busto. Suas lágrimas caíram em cima dele e a agradável quentura escorreu pro meio do vale, alcançando um dos mamilos. Deus do céu! Tudo me excitava agora! Daniel tinha aberto as portas da minha luxuria! Sem que Ivo esperasse, eu levantei seu rosto e lhe beijei apaixonadamente. Ao mesmo tempo minha mão alcançou seu penis mediano em comparação ao de Daniel, mas igualmente endurecido. Senti que a parte viva de meu marido estremeceu. Um fulgor tomou conta de meu rosto e eu fiquei felicíssima por essa melhora que lhe devolvia a virilidade! Ivo também ficou radiante e respondeu ao meu beijo como se fosse alguns anos atrás e me disse. - Querida...minha querida! Vamos trepar! -Aaah, meu amor, meu amor! Como estou feliz! Feliz! Eu estava nua por debaixo do robe. Então era só levantar-me e sentar encima do meu objeto de desejo e de orgulho pra ele. Mas estava quase fazendo isso quando um pensamento libidinoso passou por minha mente. Afastei as inertes pernas de meu marido e me ajoelhei entre elas. Com os olhos arregalados, meu marido massagear sua recente virilidade entre meus fartos seios e depois engoli todo seu penis de uma vez só até meu queixo encostar-se a seu saco! No inicio havia um leve sabor de cloro, mas depois era puro gosto de piroca sedenta por uma bocetinha. “Ou cusinho?”

– Eu já pensava nas coisas que aprendi com Daniel e que poderia fazer com meu maridinho!

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 03:06
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 28 de Outubro de 2008

O Filho da Minha Amiga


Conheci Helena há uns anos, ainda ela estava casada, numas férias no estrangeiro. Era um grupo em que ambas íamos integradas com mais uma outra amiga, Júlia. Depois durante uns tempos ainda nos voltamos a reunir nuns jantares desse grupo, mas tudo acabou e os meus contactos com Helena passaram a ser esporádicos. Íamos sabendo coisas uma da outra através de Júlia, que a via com frequência. Assim soube do seu divórcio e da sua vida com o filho que com ele ficou. Há um mês atrás, estava eu com a Júlia (amiga a que já fiz referência no meu conto “Como iniciar um jovem”, aqui publicado nas Fantasias) a lanchar numa das esplanadas do Chiado, apareceu Helena, inesperadamente.

Depois dos beijos e abraços da praxe, “estás cada vez mais nova”, “ e tu que bom ar que tens”, “os anos não passam por ti”, etc, etc , sentou-se à nossa mesa e disse que estava à espera do filho e do amigo do filho que vinham fazer umas compras pois partiam daí a 2 dias no Inter-rail a visitar umas cidades europeias durante duas semanas. Eu sabia pela Júlia que o filho da Helena estava um belo rapaz com os seus 18 anos e que o amigo dele, o Bruno, também era um borracho. E disse-me mais, que a Helena tinha um tesão grande pelo rapaz, mas que tinha receio de avançar por causa da amizade entre ele e o filho. Quando soube que os rapazes iam aparecer, a Júlia disse-me que ia ver como eram uns belos exemplares e que não era de admirar a “paixão louca” – disse a brincar com a amiga - que a Helena sentia pelo rapaz.

Entretanto eles chegaram, fizeram-se as apresentações e sentaram-se também à mesa. Lanchamos os cinco e depois a Júlia foi embora pois tinha uma consulta no dentista. O Pedro ficou ao lado da mãe, voltado para mim e o Hugo ao meu lado voltado para a Helena. O Pedro não tirava os olhos do meu decote, que nesse dia era bastante generoso e deixava antever as minhas mamocas de que aliás me orgulho. Também reparei que o Hugo olhava embevecido para a Helena com quem falava parecendo não haver mais ninguém no mundo. Às tantas os rapazes levantaram-se e forma lá dentro e eu aproveitei para dizer à Helena que o Bruno estava vidrado nela e que não tivesse receio em o atacar porque estava no ponto.

Ela também concordou, mas tinha o problema de ele e o filho andarem sempre juntos e entretanto agora irem viajar. Teria de tentar numa outra ocasião. O Pedro também me tinha agradado muito (qualquer rapazote assim desempenado e boa figura me atrai cada vez mais) e resolvi – não me mostrando interessada no assunto – dar uma sugestão à Helena. Tinha percebido que o Pedro queria comprar um saco de viagem mas que o Bruno estava com uma certa pressa de voltar para casa. Então disse à Helena para ela falar com os rapazes no sentido de ela regressas a casa dando boleia ao Bruno enquanto eu acompanhava o Pedro às compras e depois o levaria no meu carro. Assim ela teria oportunidade de estar a sós com o rapaz e depois eram com ela, mas que não perdesse a ocasião. Concordou, propôs isso quando eles voltaram, e assim foi. O Bruno seguiu com a Helena e eu e Pedro descemos o Chiado em direcção à loja onde ele ia comprar o saco.

Durante o passeio brinquei com ele, disse-lhe que tinha muita sorte por ir fazer aquela viagem, que ia arranjar muitas namoradas, que comprasse um saco bem grande para levar dúzias de camisinhas e outras coisas no género. Ele sorria meio corado e assim chegamos à loja. Enquanto ele dava uma vista pelos sacos eu só pensava que naquela altura já a Helena devia estar a “depenar” o frangote do Bruno e isso dava-me um tesão danado. Até apertava as coxas uma contra a outra de puro gozo. E eu ali com o outro na loja… Por fim o Pedro optou por um saco por sinal igual a um que eu também tenho. Disse-lhe isso e que se ele assim quisesse, lho emprestava. Sempre poupava um bom dinheiro que lhe ia dar jeito na viagem. E na compra das camisinhas, disse-lhe a brincar. Ele aceitou e fomos em passo rápido (a pressa era minha, claro) para o carro, para irmos para minha casa. Durante a viagem disse-lhe, pondo uma mão nas pernas dele com certa naturalidade mas deixando-a lá ficar para ele ir sentindo o calor dela: - “Pedro tem cuidado com os teus olhos. De tanto olhares para as minhas maminhas ainda te caiem pelo rego abaixo e depois fazem-te falta para veres as tuas namoradinhas”.

Ele voltou a corar, mas ainda teve coragem de dizer: “desculpe, mas são tão bonitas…”. “Não me digas que gostas assim tanto delas? – insinuei a puxar por ele. Sorriu, ia a dizer qualquer coisa mas entretanto parei o carro e, apertando-lhe a perna, disse-lhe que tínhamos chegado. Uma vez em casa apressei as coisas. Indiquei-lhe o escadote para ele subir para tirar o saco de cima do armário que tinha no meu quarto, segurei-o pelas pernas com o pretexto de ele não cair e fiquei com a cara encostada à coxas dele e quando desceu perguntei se era aquele o saco que queria. Disse que sim, agradeceu o empréstimo e ficamos um em frente do outro. Então eu disse: “só isso? Obrigado e mais nada? Nem direito a um beijinho de agradecimento?”. Ele inclinou-se para me beijar na face, no ultimo momento rodei a cara e as nossas bocas encontraram-se. Sem perder tempo, agarrei-o pela nuca e puxei-o bem colado a mim e beijei-o longamente”.Ele correspondia e comecei a sentir a pressão do pau nas minhas pernas. Desabotoei-lhe a camisa e beijei-o no pescoço e nos mamilos, chupava-o, lambia-o. Ele já estava louco e então empurrei-o e fi-lo cair na cama e tirei-lhe as calças e o slip.

Tinha um pau de bom tamanho, vibrante de tanto tesão, as veias entumecidas. Acariciei-o, beijei-o, suguei-o até sentir que ele não ia aguentar mais. Nesse momento meti-o todo na boca enquanto apertava as minhas coxas e ele se veio descarregando o leite em ondas sucessivas enquanto eu o sugava e também gozava pelo puro prazer de saber que lhe estava a proporcionar prazer. Sentia as minhas cuequinhas todas húmidas. Engoli uma grande parte do leite e com o resto lambi-lhe o peito deixando todo húmido. “Foi bom”? – perguntei olhando-o nos olhos. Afogueado respondeu que sim, que nunca tinha gozado tanto. “Nem com as tuas amiguinhas?”- insisti a puxar por ele. Entretanto tinha-me despido, e ele puxou-me para cima dele e beijamo-nos novamente. Ele estava entusiasmado e então deitei-me ao lado dele e pedi-lhe para fazer o mesmo comigo. Que fosse meu amigo… O Pedro então beijou-me toda, notava-se que já tinha alguma prática, senti a língua a percorrer o meu corpo também todo untado com o leite dele e levei-o a fazer um minete com todas as regras. Ele correspondia aos meus pedidos e fez-me vir outra vez. Depois puxei-o para cima de mim e o teu pau novamente teso entrou por mim adentro.

Demos uma foda maravilhosa, comigo a comandar as operações para ele se aguentar o mais possível e consegui conjugar com ele o momento para gozarmos juntos. Foi delicioso. Quando se preparava para sair de cima de mim, não deixei. Prendi-o com os meus braços e pernas e assim ficamos agarrados como lapas. Gosto cada vez mais de rapazes novos, por isto mesmo. Sou eu quem comanda as operações e gosto de ficar assim com ele apertado a mim, com o pau dentro de mim. Gosto e sentir o pau a diminuir de volume e, depois de recomeçar as carícias e os beijos, sentir que o pau começa de novo a inchar, até ficar túmido e pronto para nova arremetida. Foi o que aconteceu e demos mais uma foda deliciosa. No meio do meu gozo lembrei-me que a Helena, se tudo tivesse corrido bem, também estaria a sentir-se feliz e aliviada como eu naquele momento. Mas estava na hora de o Pedro ir embora e só fomos tomar um duche rápido para ele não chegar a casa a cheirar a sexo por todos os poros. Seria que a mão ia dar por isso? Duvido. Ainda demos uns chupões durante o banho, mas por fim lá nos separamos.

Ele ficou em vir entregar o saco depois da viagem e ambos percebemos que ainda íamos ter muita festa no futuro próximo. Mais tarde a Helena telefonou-me a agradecer a minha colaboração, que tinha sido delicioso, que o Bruno de facto estava perdido por ela, que ia tratar do caso com atenção mas que durante uns tempos ia aproveitar. “Obrigada por tudo querida Carla”- terminou ela o telefonema. Desliguei e fiquei a sorrir e a dizer para comigo: “obrigada eu, Helena, pela pérola que criaste e com a qual me vou divertir durante uns tempos. Seremos duas mulheres felizes enquanto o encantamento durar”.

EMAIL: explicando-08@sapo.pt

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 17:33
link do post | comentar | favorito
Domingo, 26 de Outubro de 2008

Quarentona Deliciosa


Nunca escondi os meus fetiches das mulheres que vou conhecendo.
A lingerie sensual e sexy , as mulheres na casa dos 40 e o sexo oral, sao os meus maiores fetiches.
Ha dias conheci a Silvia, atraves deste site, uma mulher de quarenta anos num corpo de vinte...
Hoje enviou-me uma mensagem para ir ter a casa dela que precisava de mim.
Como estava por perto, fui.
Entrei e como ja conheço acasa, e tenho um certo a vontade, sentei me no sofa da sala.Passado uns minutos, surge-me a Silvia numa lingeria completamente irresistivel, assim daquelas que deixam um homem deliciosamente taradao...
Cumprimentamo-nos com um belo e delicioso beijo na boca com as nossas linguas a tocarem-se de uma forma ardente.
Estava dado o mote para uma tarde de aventura e loucura...
Num instante estava aser premiado com uma boca gulosa e sedenta a lamber-me o sexo de uma forma que ha muito nao sentia...
Enquanto isso ia passando a mao pela pele macia da Silvia, ate que ela parae diz-me baixinho a sussurar ao ouvido que hoje era a minha putinha privada e que o cuzinho dela estava sedento de um pau grosso e a coninha a pedir desesperadamente por uma boca quente e uma longua sensual...
Assim foi, lambi com gosto aquela coninha cheirosa e suculenta...
Cumi-lhe o cuzinho como ela queria...
Demoro algum tempo a vir-me mantendo sempre o pau erecto e grosso, e a Silvia estava encantada e deliciada com o gozo que estava a ter sem eu perder o ritmo e o andamento.
Até que chegou o momento em que era impossivel aguentar , apercebendo-se a Silvia , rapdamente se poe de joelhos e me faz uma mamada delirante ate me vir...
Já exausto ainda tive tempo de lhe proporcionar mais um orgasmo de lingua e boca naquela coninha deliciosa.
Descansamos, tomamos um banho bem erótico os 2 juntos e mais uma vez o prazer e a loucura andou à solta na banheira da Silvia...

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 19:08
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 24 de Outubro de 2008

A 1ª Vez foi C/Professora Biologia


O que vou contar aconteceu em finais de Maio de 1988 quando tinha 16 anos, frequentava o 11º ano da área de saúde. Apesar de ser o melhor aluno da turma não deixava de ser um Pândego, sempre na brincadeira, a jogar futebol com os amigos e apanhando grandes bebedeiras sempre que possível. A turma onde andava era muito unida e fazíamos quase tudo em conjunto, inclusive muitos de nós namorávamos com colegas da turma. Eu nunca namorei, ia namorando pois não tinha maturidade suficiente para compromissos.

No início desse ano tivemos diversos professores novos, entre os quais uma professora de biologia, natural da terra. Era recém licenciada, tinha 24 anos, muito bonita, cabelos com madeixas, olhos castanhos muito pestanudos, um peito não muito grande mas que ela realçava com grandes decotes, cintura fina, rabo bem proporcionado e as pernas mais bem feitas que vi até hoje e que ela fazia questão de exibir usando sempre minisaia. Para nós rapazes com 16/17 anos era um rastilho que nos incendiava o fogo da juventude. Como professora era uma excelente professora, explicava bem, preocupava-se connosco e participava de diversas actividades extracurriculares. Devido à sua jovem idade participava em algumas das actividades que organizávamos como passeios, piqueniques e jogos de futebol.

Em Maio, estávamos quase no final do período e havia muita gente preocupada com as notas e eu, sendo o melhor aluno era constantemente assediado pelo colegas para os ajudar. A Anabela, assim se chamava a professora, sendo directora de turma resolveu organizar um dia de estudo na sua casa onde a turma toda se encontraria para estudar e ela nos tentaria ajudar. Eu como não precisava sempre que podia escapulia-me para o jardim para dar uns toques na bola e morder as pernas e o rabo da professora. Nesse dia, talvez pelo informalismo da situação eu estava particularmente atrevido fazendo algumas piadas sobre e com ela e ela sempre a entrar na brincadeira. No final da tarde, já cansados do estudo entramos numas brincadeiras e aproveitando o calor começamos a brincar com a mangueira atirando água uns aos outros.

Ficamos todos molhados e podia-se ver as maminhas da Anabela debaixo da t shirt molhada. Fiquei encantado a olhar para elas e fui surpreendido por ela que ao contrário do que eu esperava não fez nenhuma fita limitando-se a sorrir. Aos poucos o pessoal foi saindo e com a desculpa de que precisava de falar comigo por causa da associação de estudantes pediu-me para ficar. Quando ficamos só os dois e estávamos ambos molhados ela levou-me para dentro indo buscar toalhas para nos limparmos. Eu despi a tshirt ficando só de calções e para minha surpresa ela também tirou a tshirt ficando com os seios à mostra e bem de frente para mim, sem qualquer pudor. Fiquei paralisado sem saber o que pensar ou fazer e pior fiquei quando ela lentamente se aproximou beijando-me levemente nos lábios.

A medo respondi ao seu beijo que gradulamente aumentou de intensidade até as nossas línguas se enrolarem explorando as bocas sedentas de beijos. A medo levei as mãos aos seus seios desnudos arrancando-lhe um suspiro profundo ao toque da minha mão. Assim permaneci tempo sem fim, explorando e tacteando cada cm de seus seios e, quebrando o beijo, chupando-os gulosamente, qual bombom exótico nunca provado. Desejosos de mais fomo-nos empurrando para o sofá onde fiquei desnudo, expondo à vista da minha professora a dureza do meu sexo experiente de tanta masturbação e inexperiente do contacto de uma mulher. Soube, sem me perguntar que eu era novo nestas lides, e com todo o carinho acariciou o meu corpo que vibrava ao seu toque como a corda de uma viola sendo tocada por hábeis dedos. Sussurrando ao meu ouvido fazia-me relaxar, a língua brincando com os meus mamilos, as mãos acompanhando a boca, e sem pressa chegou a meu sexo que doía de excitação e ansiedade.

Depositou leve beijo na ponta da glande, com a língua e com a mão percorreu todo o comprimento fazendo-me sentir bem, dando a entender que tinha um belo sexo. Fazendo-me torcer de prazer e surpresa abriu a boca engolindo primeiro a cabeça e depois todo o membro. Para mim era demais e sem pensar explodi em vagas de prazer na sua boca, ejaculando ininterruptamente, gemendo e tremendo. Nunca durante o longo tempo que demorou o meu orgasmo largou o meu pénis. Quando finalmente sentiu que tinha terminado deixou-me escapar, sorrindo e lambendo os lábios procurou a minha boca provocando-me uma reacção de nojo, recuando, até que preso pelas costas do sofá senti a sua língua na minha boca dando-me a provar o meu cheiro e o meu sabor.

Trocou comigo deitando-se na beira do sofá e abrindo as pernas expôs o seu sexo muito rosado emoldurado por um pequeno tudo de cabelos muito bem aparado. Puxou-me para baixo aproximando a minha boca da sua xana. A medo e com nojo lá me fui aproximando, sentido pela primeira vez o cheiro do sexo feminino. Fui ensinado sobre o que fazer e como fazer. Devo ter feito bem pois ao fim de algum tempo a minha cara foi presa entre as suas pernas enquanto ela gritava atingindo o orgasmo. Mais uma surpresa para mim que sem fuga fui obrigado a beber todos os seus sucos, apreciando cada gota ao contrário do que esperava. Mantendo a posição pediu-me para a penetrar, o que fiz a medo e sem jeito.

Mais uma vez não demorei vindo-me quase de imediato, ficando envergonhado ainda dentro dela. Sem uma recriminação encorajou-me e devido à minha idade nem sequer fiquei flácido continuado de imediato a minha iniciação sexual. Agora, passada a excitação inicial comecei verdadeiramente a apreciar o momento e também a Anabela que vibrava a cada investida. Resolvida a completar a minha iniciação, fez-me penetrá-la em todas as posições e por toda a casa, aproveitando a minha inexperiência e claro a minha juventude que me faziam continuar erecto não obstante os diversos orgasmos que tive. Após umas horas de sexo estava exausto, todo suado, assim como ela que, no entanto, para acabar a minha iniciação disse faltar uma coisa e que agora era a altura para isso e colocando-se de quatro no meio da sala indicou-me que a penetrasse no ânus.

Incrédulo olhei para ela sem saber se estava a brincar ou não, mas com um movimento fez-me perceber que era a sério. Aproximei-me e comecei a tentar penetrá-la, sem jeito e com medo de a magoar, o que consegui após muitas tentativas. Mais uma vez a minha surpresa foi total. Tinha adorado todos os segundos e tudo o que tinha feito até ao momento, mas a sensação do seu ânus era completamente diferente, muito apertado, muito quente e muito suave, como veludo e rapidamente me habituei à sensação, demorando o máximo que me aguentei e sem saber como vim-me em quantidades que julguei impossíveis depois de tudo o que tinha acontecido e caí prostrado no chão, exausto mas com um ar de estúpida felicidade estampada no rosto. Olhei para a Anabela que tinha o mesmo sorriso e o mesmo ar de cansado.

Por toda a casa se notavam marcas da nossa passagem, roupas amarrotadas, bocados de esperma espalhados, cheiro a sexo. Lá fora já era noite e saí a correr pois os meus pais já deviam andar á minha procura

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 17:01
link do post | comentar | favorito

.CONTOS

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


.Posts recentes

. Uma Estranha no café..

. Fodi a amiga da minha mul...

. O meu homem a dias

. Desejos GAY

. Conto erotico de Natal

. Conto erotico de Natal

. O sonho

. A Frincha da Porta eu Ent...

. Amiga Carente

. Divinal...com imenso praz...

. No Bar onde Trabalhei

. Meu Macho me Chama De Mae...

. O Filho da Minha Amiga

. Quarentona Deliciosa

. A 1ª Vez foi C/Professora...

. Comida a força !!!

. Eu e minha esposa C/ 1 am...

. Ver e mostrar no Meco

. O Sonho

. A Minha querida namorada

. Tenho que ser liberal

. Minha esposa no Cinema

. O Nosso Conto

. Amante

. Homens? Simples Presas !!...

. Meia Verdade

. Ferias numa ilha do carib...

. 1º Vez C/1 Homem

. Paguei dividas C/Corpo de...

. A Vizinha

.Arquivos

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds