Terça-feira, 19 de Agosto de 2008

Fodas no Carro


Sou o "IUR", tenho 31 anos e vivo numa vila pacata do norte/centro do país. Conto estas histórias apenas pela emoção de as recordar e pelo prazer de as escrever! Início a minha jornada com uma história verídica, com alguém que me marcou muito, a primeira relação afectiva a sério e que durou quase 7 anos. Esta história já tem uns anos, na altura tenho eu 22 e a S.S. tem 18.

S.S. é uma 'gaja' que despertou a minha atenção desde o início. Tem 1,70m com uns 60kgs muito bem feitos. Pele branca, cabelos compridos e loiros (falsos), uns bonitos olhos castanhos, perfeita de pernas, perfeita de rabo, perfeita de seios, perfeita... e que gostava de provocar e de ser provocada. Fomo-nos encontrando e saindo, ficámo-nos a conhecer melhor, e a partir da 3ª ou 4ª saída começámos a ter relações. E não, já não era virgem.
Adiante.

Numa dessas saídas, num belo domingo à tarde, resolvemos dar uma volta de carro, que era até então o nosso ninho de amor. Depois de descobrir um sítio escondido e sossegado para não sermos incomodados, passamos para o banco de trás e passámos à acção.

Depois de uns linguados naquela boca linda, começo a apalpar-lhe e a chupar-lhe os mamilos duros e a acariciar-lhe a ratinha já molhadinha de tesão. Estamos a ficar os dois doidos. S.S. escorrega pelo banco e agachasse no meu pau bem duro. Faz-me um broche demorado e gostoso. Lambe as minhas bolas enquanto bate uma punheta. Que língua! Que mãos! Estou a ficar maluco... e ela também! Trocamos de posição. Ela agora está deitada no banco com as pernas abertas, e eu com a minha língua na sua ratinha molhada, melada, saborosa!

"HHuuummmm... Gostas?" – "Anda! Vem cá! Mete-o..., mete-o..." – diz ela enquanto abre ainda mais aquela cona húmida e transpirada de tesão. Pego no meu pau duro e meto-o todo de uma vez. Que sensação! Ela geme de prazer enquanto aperta o meu rabo contra ela. Começámos a bombar com mais força e a visão que tenho dela é maravilhosa: os nossos corpos semi-nus a escorrer um misto de suor e prazer, aquela expressão na sua face, as maminhas num abanar sensual ao ritmo dos nossos corpos... "Meu Deus!" "És tão boa..." – disse-lhe.

“Dá-me, dá-me… gostas? Gostas da minha conaaaa?” “…diz que gosta da minha cona… hhuuummmm… diz que gostas de foder comigo…” Não era hábito, mas desde essa altura S.S. começou a utilizar uma linguagem ‘mais forte’, a dizer todo o tipo de merdas que lhe vêm há cabeça. Começo a chamar-lhe de minha putinha! Isso excita-a muito e a mim também.

Depois de um tira e mete profundo, em vários ritmos, sempre com ele a tocar-lhe no fundo e a alarga-lhe a cona, senti-a a ter um orgasmo longo. F*da-se!!! E não demorou muito para eu fazer o mesmo. Tirei fora e esporrei-me todo na sua barriga, em jactos que chegaram ás mamas. Ela adorou aquele leite todo, e começou a esfregá-lo por todo o lado. Sem dúvida esta foi uma das melhores fodas que tive e que fica gravada para sempre.

publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 22:59
link | comentar | favorito

.CONTOS

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


.Posts recentes

. Fodas no Carro

.Arquivos

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds