Quinta-feira, 1 de Maio de 2008

1º Vez de Todos


José e Mariana, casados há mais de uma década, eram um casal daqueles que se diz serem “normais” seja isso o que for.
Nos primeiros anos de casados como típicos portugueses, o ciúme morou com eles, e como tal grandes guerras se deram, mas a maturidade de uma década de casamento trouxe mais calmaria aquele mar agitado, mas ao José trouxe algo mais, trouxe desejos e fantasias. José dava com ele a imaginar como seria a sua querida Mariana com outro homem, claro que não lhe era difícil imaginar a situação, bastava recorrer aos “filmes” que o seu ciúme de outrora tinha realizado, do género “onde estiveste?” “onde anda ela?” “com quem estará?” “um amigo? Que amigo?”, filmes típicos da sociedade portuguesa.
A toda esta panóplia de informação reunida, José juntou o mais precioso ingrediente, o seu amor por Mariana, tudo misturado, a resposta: Se a amo, se a quero ver feliz como posso priva-la do que quer que seja que ela queira? Se quiser sair com amigas, se quiser jantar com colegas de trabalho, o que quer que seja que ela queira, desde que a faça feliz, se a amo tenho de ficar feliz também, José via nesta posição a mais lógica. Mas e se ela quisesse estar com outro homem? No fundo era legítimo, Mariana nunca tivera relações sexuais senão com ele, seria natural querer experimentar, aqui José recuou, não seria perigoso? E se o tipo fosse melhor do que ele, que pensaria ela? José tinha encontrado a pergunta que “martela” no ciúme, sim para José o ciúme só tem uma lógica, que ironicamente é ilógica, a lógica é o medo de perder o parceiro para alguém que seja melhor, e aí teríamos de lidar com o nosso orgulho, a ilógica é que se efectivamente gostamos da nossa cara-metade, devemos fazer tudo para que seja feliz, com isto, outra revelação: masoquismo, porque? Vejamos pela lógica: A e B amam-se, A faz sexo com C, B separa-se de A, mas porque é que B se separa se ama A? Porque gosta de sofrer? Masoquismo. Se B ama A e A ficou contente de fazer sexo com C, B deveria ficar contente por A.
Após todas estas considerações José decidiu por Mariana á prova, certo dia “iniciou-a” nos “chats”, local bastante complicado para Mariana, cuja educação sexual fora inexistente devido aos tabus dos pais, e em seguida os grandes ciúmes do marido tinham tornado Mariana um pouco (ou muito) complexada no que diz respeito a sexo, não demorou muito, ao fim de uma semana já Mariana tinha 3 amigos virtuais com quem teclava quase diariamente, e para quem lá andou ou ainda anda, sabe a velocidade com que estes “diálogos” se desenrolam, não tardou muito Mariana via-se em papos de aranha para responder ás mais diversas questões, do tipo “gostas de foder?”e “no sexo o que é gostas mais?” entre outras tantas, Mariana corava e recorria a José “que é que lhe digo?”, ao que José lhe respondia que dissesse a verdade, se abrisse e assim lentamente José ia vendo as diversas investidas destes amigos virtuais a quererem fazer “sexo virtual” com a sua Mariana, situação essa que o deixava louco de tesão, o que fez com que alvitrasse que porque não agendar um encontro com um deles, ao que Mariana respondia “tas louco?” mas ao mesmo tempo corava, o que levava José a questiona-la “gostavas, mas tens medo?” o que dava origem a diversas conversas e assim os dias (ou melhor as noites) iam passando com José a ver Mariana mais desenvolta e o casamento deles a ser muito melhor, até que um pensamento assolou Mariana, que por agora já quase achava que fazer sexo com um estranho seria óptimo para levantar o ego, e o José? Se ela alguma vez o fizesse, ele teria oportunidade de o fazer também, situação que desagradava a Mariana, a verdade é que era ciumenta e por muito que gostasse dos jogos de sedução que já fazia com os amigos do trabalho e virtuais não estava na disposição de ver ou saber que José também os fizesse, o que levou Mariana a dizer a José que estavam a entrar em campos desconhecidos e que isso poderia ser fatal para a relação deles, claro que José lhe disse que não, que pelo contrário, isso significava ainda mais maturidade, e que nada importava desde que eles se amassem e ficassem juntos, que até seria giro saber das “conquistas” e seduções de cada um, ou seja que tudo isso iria “apimentar” ainda mais a relação, mas a posição da Mariana mantinha-se inalterada.
José via que Mariana ainda falava com os seus amigos virtuais embora cada vez menos, o que o levou a pensar “não podemos perder o que conseguimos, tenho de fazer algo”, enquanto nada lhe ocorria, José via o seu casamento voltar ao que era, ou seja Mariana, agora mais instruída nos processos de sedução, controlava José, sempre com o receio de ele fazer o que ele lhe tinha dado autorização para ela fazer, para José esta era uma situação inesperada e significava o “tiro pela culatra”.
José, que não é desistir, voltou á carga, as noites estavam a ficar quentes, convidavam a sair e a usar menos roupa, por esta altura a empresa onde Mariana trabalha, tinha por hábito organizar alguns jantares para convívio entre os trabalhadores desde que estes fizessem umas horitas extras por semana, José que já tinha conseguido por Mariana a usar mais vezes aquelas saias um pouco curtas, blusas e tops que sempre que iam ás compras a incentivava a comprar, tinha transformado a sua Mariana numa mulher super vistosa e muito sexy. Cada vez que saíam ou havia jantares da empresa, José fazia questão de preparar a roupa que Mariana iria usar, por vezes fazia de conta que se esquecia da cuequinha ou tanga, de modo a incentiva-la a ir sem as levar, o que nunca conseguiu, embora as que ela levasse fossem sempre de tamanho reduzido, no regresso dos jantares, José fazia questão de ouvir os diversos piropos que os colegas de Mariana lhe tinham dito, assim como as diversas tentativas de sedução que ela era alvo, mas nada, ela mantinha-se irredutível, para José a situação exigia uma atitude, um empurrão, teve uma ideia, sempre que saíam, Mariana era alvo de muitos olhares, José engendrou um esquema, e daí a coloca-lo em pratica foi uma questão de esperar pela próxima 6ª feira, nessa noite, conforme era hábito, José preparou a roupa de Mariana, uma saia curta, 20 centímetros acima do joelho, uma blusa branca, um sapatinho de salto alto e de atar em volta da perna e mais nada esquecendo-se propositadamente da tanguinha, desta feita insistiu para que não as levasse, afinal ela iria com ele, mas não, nada feito, Mariana vestiu o que estava, colocou uma tanguinha e lá foram, tomaram café e pelas 23.00h foram a um bar, que sabiam da existência, mas nunca tinham frequentado.
Lá chegados e depois de atendidos, foram-se sentar numa mesa onde podiam ver quase todo o bar, estava com algum movimento e os homens presentes começavam, alguns mais indiscretos que outros, a observar Mariana, principalmente as suas pernas, que a saia deixava a descoberto e depois de sentada parecia ainda mais curta do que já era.
Não demorou muito e já estavam no “jogo” mais jogado por eles ultimamente, quais dos presentes ela achava mais “engraçado” como ela gosta de dizer.
Uns minutos mais tarde decidiram deambular pelo bar e assim conhece-lo melhor, foram dar a uma pequena sala, que apenas tinha uma mesa de snooker, Mariana desafiou logo José para uma partidinha, José não estava muito afim, afinal não era esse o plano dele, mas lá acedeu e dirigiu-se ao balcão para “abrir” o jogo, enquanto aguardava, viu o indivíduo que tinha sido “eleito” o mais engraçado por Mariana, José não perdeu a oportunidade e avançou, delineou um plano que consistia no seguinte: Nuno, era esse o nome dele, iria ter com eles e se fosse desafiado a jogar apostaria a tanguinha de Mariana, Nuno gostou da ideia até porque a imagem de Mariana e suas pernas ainda não lhe tinham saído da cabeça, assim fizeram. Estava o José a colocar as bolas em cima da mesa quando apareceu Nuno e se encostou á parede a observar o início do jogo, José aproveitou a deixa e diz-lhe “Mariana, não me apetece muito jogar, não queres antes jogar com este rapaz?” Mariana olhou para Nuno e reconheceu-o como o mais “engraçado” do bar e em seguida olhando para José respondeu “não sei se ele quer jogar comigo”, José avançou em direcção a Nuno, apresentou-se a ele e a Mariana e disse-lhe “não queres fazer uma partidinha com a minha mulher?”, Nuno (conforme combinado com José respondeu que só joga com apostas, ao que Mariana disse “óptimo, vamos apostar uma rodada”, Nuno retorquiu que só aceitaria se ela apostasse a tanguinha, ao que José para aliviar o ambiente deu uma grande gargalhada dizendo “e agora que fazes? Tens medo?”, Apostado disse Mariana ciente das suas habilidades de jogadora, Mariana tinha mordido o isco, os dados estavam lançados, enquanto jogavam José foi-lhes buscar bebidas, Mariana ia já no 2º bacardi-cola, por fim, Nuno acaba o jogo e reclama a aposta, Mariana um pouco envergonhada olha José e pergunta-lhe o que fazer, ao que José lhe responde, “apostaste e perdeste, deixa-o tirar o premio” Nuno nem deixou Mariana falar, aproximou-se dela, baixou-se colocou uma mão de cada lado por debaixo da saia e lentamente despiu Mariana, após uns risos de nervosismo Mariana disse “ele teve foi sorte, esta mesa só tem é defeitos e agora que já tens a minha tanguinha vais pagar-nos um copo” e dirigiu-se para a mesa, depois de olhar para as pernas de Mariana, ainda meio zonzo por ter despido a tanga de Mariana, Nuno olha para José e diz-lhe “vá, vamos lá beber um copo, a patroa manda”, lá foram, em vez de uma foram 2 rodadas, tempo suficiente para Nuno dizer que morava a poucos kilometros dali e que em casa tinha uma mesa de snooker, á qual não dava praticamente uso e como a Mariana tinha dito que perdera o jogo por culpa desta mesa que podiam ir até lá casa e jogavam novamente, José olhou para Mariana para que fosse esta a decidir, Mariana ia já no 4º bacardi e como começava a ficar um pouco excitada respondeu que sim, chegados ao carro deparam-se com uma questão, tinham levado o carro comercial, de 2 lugares e Nuno tinha ido de boleia com um amigo, José disse logo que não havia problema e que com jeito cabiam todos, e assim foi, José a conduzir e no banco do pendura ia Nuno e Mariana com a saia quase na cintura, durante o caminho Nuno ia pedindo desculpa a Mariana, devido ás curvas, Mariana estava a gostar da brincadeira e quando as curvas eram ao contrario fazia questão de entalar Nuno, rindo-se muito, ao que Nuno aproveitava e ia-a apalpando, José podia ver, quando passavam por debaixo de iluminação publica, a mão de Nuno passando pelas pernas de Mariana, aproximando-se mais a cada curva do caminho, dos poucos pelinhos que Mariana tem entre pernas e que com a saia subida começavam já a ver-se, do ultimo candeeiro até casa de Nuno passaram-se uns kilometros que Nuno pareceu ter aproveitado para mexer um pouco mais e melhor em Mariana, isto porque ela já não ria tanto e a sua respiração tinha aumentado, José ia pensando “pronto, era isto que querias, e está a acontecer” José andava entre o satisfeito e aquela réstia de ciúme, mas pensou “não, ela esta toda feliz, isso é que importa, o resto é doentio”, mais uns metros e chegam á vivenda de Nuno, uma bonita casa, entraram e foram logo para a sala onde estava a mesa e o pequeno bar, enquanto arranjava as bebidas, José pergunta a Nuno “ e agora, que vão apostar?”, Nuno diz que não tem sentido apostar rodadas e Mariana responde que tanguinhas também não porque já não tem”, fez-se um momento de silencio e José pergunta a Nuno o que é que realmente ele quer apostar, Mariana já nervosa e um pouco (ou muito excitada) e a ver onde tudo ia dar antecipa-se a Nuno e diz “sexo oral!” Nuno engasga-se, José ri-se e Mariana tenta justificar-se se eu perder faço a ele, se eu ganhar faz-me ele”, José pergunta a Nuno se ele aceita, Nuno diz que sim, mas que seria mais interessante se por cada 2 bolas que entrassem, cada um despisse uma peça de roupa, José disse logo “óptimo, está mesmo tanto calor”, Mariana nem respondeu e continuou a fumar o cigarro. Inicio do jogo, sai a Mariana, uma bola entra, José, diz alto UMA, joga Mariana novamente, nada, é a vez de Nuno que consegue uma, DUAS, TÁ A DESPIR grita o José que alinhando no jogo tira a camisa e Nuno faz o mesmo, Mariana descalça-se, continua o Nuno e consegue outra, UMA grita José novamente, continua o Nuno e nada, segue-se Mariana e nada, José diz-lhe “uhmm vais perder”, joga o Nuno e outra, DUAS TÀ A DESPIR José fazia o relato e descalçava-se seguido do Nuno que não tirava os olhos de Mariana que acabara de despir a blusa branca, deixando a descoberto uns grandes e bonitos seios, Nuno volta a jogar e outra, desta feita Mariana nem deu tempo a José, avança para Nuno e diz-lhe “ok, eu vou perder, por isso Nuno, como queres faço a ti ou tu a mim?”, José engasga-se Nuno fica paralisado e Mariana insiste “então?” Nuno olha para José que lhe faz um gesto a insinuar que ela o chupasse, este olha para Mariana e diz-lhe “fazes-me tu”, Mariana inclina-se para Nuno e despe as calças a Nuno e respectivos boxers deixando a descoberto um pénis já erecto de tanta excitação, começa a mexer-lhe e enquanto o fazia olhava para José como que pedindo autorização para uma coisa que ninguém mais do que ela estava deserta de fazer, José percebendo, diz-lhe que estivesse á vontade, Mariana então começa lentamente a chupar o pénis a Nuno que continuava completamente espantado, por mais que quisesse uma situação assim, nunca pensava que tal lhe fosse acontecer, enquanto isto José levantava a saia a Mariana e aproveitava o facto dela estar sem tanga para a começar a lamber, Mariana pouco tempo depois com a excitação abocanhava o pénis a Nuno num vai vem frenético, que só parou quando este meio sem jeito lhe perguntou se a podia comer, prontamente Mariana se pôs a jeito de modo a que Nuno a pudesse penetrar, o que este fez vigorosamente, enquanto ela chupava agora o marido, não tardou muito Mariana gemia de uma forma que deixou José boquiaberto pois nunca tinha visto a sua querida mulher a ter tanto como agora, até que esta num tom um pouco mais alto e por entre o pénis do marido dizia estou-me a vir, estou-me a vir, Nuno não aguentava e vinha-se também, José aproveitava a excitação da mulher para fazer o que tanto gosta, comer-lhe o rabo, coisa que não é muito do agrado de Mariana, mas a noite era de festa e esta não se fez rogada e aceitou o pénis do marido que a penetrava agora em força ouvindo-se um estrondoso bater de nádegas, Nuno imponha-se agora de frente para que Mariana lhe lambesse as ultimas gotas de esperma que tinha no pénis, que facilmente ganhou nova erecção porque Mariana não estava a ser meiga a chupa-lo e Nuno por seu lado via uma oportunidade excelente de se iniciar na pratica do sexo anal, por isso ia dizendo, “chupa-mo linda, chupa-mo que a seguir ao Zé quem te vai comer o rabinho sou eu”, claro que Mariana disse “não sei se vais…”, Nuno determinado a não perder a oportunidade, só faltou suplicar, pois dizia “vá lá, é a minha 1ª vez, deixa linda, deixa”, José deu uma forcinha dizendo a Mariana “vá lá tira os 3 ao rapazinho”, ao que ela acedeu e trocaram de posições, enquanto Mariana punhetava o marido fazendo com este se viesse, Nuno só faltava berrar enquanto “cavalgava”, sim é este o termo, cavalgava mesmo Mariana que atingia novo orgasmo, quase simultaneamente Nuno fazia o mesmo. No final, passada a euforia, veio aquele silencio em que se nota os gritos do pensamento: Mariana “Ai e agora? Que foi que fiz?” – José “pronto já está! E agora? Como vamos reagir?” – só Nuno é que pensava “que espectáculo! Que fodão e ainda comi o meu 1º cu, que noite! E agora?”. José achou que devia ser ele, dirige-se a Nuno dá-lhe uma palmada nas costas e diz-lhe “olha desculpa lá qualquer coisinha” todos desataram a rir, a coisa amenizou, tinha sido o sinal de que tudo estava bem, tinham feito um amigo.
publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 01:47
link do post | comentar | favorito

.CONTOS

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


.Posts recentes

. A caminho do Hotel

. De regresso a casa

. A Rainha da noite...

. Passagem de Ano a 3

. Leitura em dia

. Uma Estranha no café..

. ...

. Fodi a amiga da minha mul...

. Eu e o Pastor Alemao

. Broche no Trabalho

. Paragem inesquecivel

. Os gemidos do quarto ao L...

. Paragem inesquecivel

. Primos da minha Mulher

. O meu homem a dias

. Ferias nos Açores

. Desejos GAY

. Como eu já tinha contado ...

. O desafio

. EU Mais minha Mulher e Ou...

. Conto erotico de Natal

. Conto erotico de Natal

. O sonho

. A Frincha da Porta eu Ent...

. Amiga Carente

. Uma Mulher ...

. Divinal...com imenso praz...

. Sessao GAY

. Bom Menage

. No Bar onde Trabalhei

.Arquivos

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds