Domingo, 8 de Junho de 2008

Como perdi a namorada


Namorava com a Sandra há cerca de 2 meses, tudo parecia correr bem, entendiamo-nos bem, e apenas com dois meses de namoro já tinhamos uma vida sexual satisfatoria, eu na altura tinha 20 e a Sandra 22. Não se pode dizer que a Sandra fosse uma rapariga de fazer perder a cabeça a qualquer homem, mas aquele olhar azul, juntamente com o cabelo escuro e umas mamas bem espetadinhas não deixavam ninguem indiferente.
Certa noite num chat fui abordado por um rapaz, de Lisboa,Bruno, que me desafiou a trocar uma foto da namorada, acabei por aceitar, mandei uma foto da Sandra e ele mandou da namorada dele. Ao ver a foto da Sandra sugeriu-me que a convidasse para sexo a 3, a ideia agradou-me imenso mas não sabia como a sandra ia reagir, após muitas noites de conversa com esse rapaz e depois de ele ter ganho a minha confiança ficou decidido que eu lhe daria o contacto da sandra, e ele tentaria auma abordagem a ela, sem nunca mencionar que eu estava envolvido até ganhar confiança para lhe propor uma noite de sexo a 3, ela, ele, e o namorado dela (eu). Assim foi, e todas as noites falava com o Bruno que me ia pondo ao corrente da aproximação á sandra. As semanas foram passando e deixei de receber noticias desse rapaz, continuava com a sandra mas tudo parecia bem. Certo fim de semana a sandra disse-me que tinha de ir a lisboa, não estranhei pois ela tinha lá familia e essas deslocações eram regulares, e eu nem sempre podia ir com ela.
Num desses fins de semana recebo um telefonema da sandra, ao atender o telefone oiço gemidos, reconheci de imediato o gemido dela e consegui notar as vozes de mais uns dois rapazes, fiquei sem reacção, não consegui desligar o telemovel, segundos depois oiço a voz da sandra a dizer: Esta tudo acabado entre nós, mas muito obrigado por isto que esta a acontecer!
Moral da historia, era para ter sido eu e o Bruno a foder a sandra, mas quem a fodeu foi o Bruno e o irmão o Renato. Soube que a Sandra passou a ir para lisboa todos os fins de semana e folgas para aqueles encontros loucos com o Bruno e o Renato. Vi a Sandra á uns meses atrás já com um filho, não sei se o filho era do Bruno ou do Renato mas ela continuava com um corpo fantastico que eu observei á distancia enquanto ela apanhava o expresso para Lisboa.
Felizmente conheci a filipa logo e seguida mas o contacto dela ficou no segredo dos deuses.
publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 16:34
link do post | comentar | favorito
Sábado, 7 de Junho de 2008

Comida pelo amigo


Há uns anos que não via o Carlos.Devido á nossa profissão vivemos em duas cidades do norte de Portugal durante alguns anos e sempre fomos grandes amigos.Andavamos sempre juntos.Acabamos mais tarde por seguir rumos diferentes mas a amizade manteve-se, embora o passar do tempo e a distancia fizessem com que os contactos fossem
ficando mais raros, já que ele ficou a viver no Porto e eu e a minha mulher numa vila do interior norte.
Divorciou-se , mudou de emprego e foi por esta
ocasião que me ligou para nos encontrarmos para ver a possibilidade de o poder ajudar,já que a minha empresa gasta muitos dos produtos que ele agora vende.
Foi uma alegria o reencontro.Estivemos várias horas a falar e aceitei o convite para irmos(eu e a Rosa,minha mulher)passar o fim de semana seguinte a sua casa.Como a minha mulher também trabalha ao sábado,só depois do jantar saímos de casa.Esperava-nos junto á entrada.Estava mais magro mas mantinha aquele ar de deus grego,moreno,alto,bonito.A Rosa saiu do carro e ele,ternamente,ficou a mirá-la e a admirá-la antes de a abraçar e apertar contra si num abraço demorado.Sempre se deram bem os dois,falavam muito.Ela estava linda como sempre.Trazia um "mini"vestido preto que lhe realçava as pernas bem feitas e um decote acentuadíssimo que deixava ver um belo par de mamas.O cabelo louro comprido fazia um contraste arrebatador com a cor do vestido.Os lábios,bem carnudos,sobressaíam naquela carinha
de anjo.Até a altura(1,60)fazia lembrar uma garota,apesar de ser quase quarentona(38 anos).
Entramos para a sala,fomos pondo a conversa em dia,mesmo no que ao sexo dizia respeito,com o Carlos a confidenciar-nos que já estava há algum tempo "em jejum".De soslaio,reparei que a minha mulher engoliu em seco e sentia também que ela estava inquieta,sempre a cruzar e descruzar as pernas,mas pensei que fosse por uma questão de vergonha por estarmos a falar de sexo.
Começamos a beber e a comer uns aperitivos,o tempo sempre a passar.Estava calor,levantei-me e fui ao quarto onde tínhamos deixado a mala vestir uns calções.Regressei á sala e ele ao ver-me assim foi fazer o mesmo e eu disse á minha mulher para ir vestir o pijama
de cetim que tinha trazido.Fiquei eu e o Carlos na sala,até que ela aparece e ficamos os dois de boca aberta a olhá-la;uma camisa preta,curta e transparente, com uma abertura sobre a coxa esquerda quase até á virilha,cobria-lhe(?) o corpo.Tinha tirado o soutien e viam-se as suas
belas mamas por inteiro debaixo do frágil tecido.Espantado, fui á casa de banho e dei comigo a pensar e tentar entender porque fez ela aquilo...será que...
-Este é o meu quarto.Era a voz dele a mostra-lhe o que faltava ver da casa.Fui ter com eles.O televisor do quarto estava ligado e a luz "apagada".Sempre falando para ela,Carlos sentou-se na beira da cama.Ela deu a volta e sentou-se do outro lado,a cara corada.Nesse momento percebi claramente que ela queria foder com ele fosse como fosse.Fiquei com medo mas, simultaneamente,um tesão muito grande começou a apoderar-se de mim ao vê-los assim quase perdidos de vontade de se comerem mas sem saberem como dar o passo final. Enquanto falavam e se comiam com os olhos,digo-lhe um
"-Chega-te para lá", o que ela fez de imediato.
As suas pernas ficaram a roçar as de Carlos numa situação já incontrolável...e eu dei o último passo...viro-a de lado e de costas para
mim(de frente para ele)dou-lhe um beijo na nuca e,ao fazer este movimento,empurrei-a levemente
na direcção dele.Mal lhe tocou o corpo, ela não resistiu e atirou-se(isso mesmo,atirou-se) a ele
louca de desejo.Carlos olhou-me receoso,disse-lhe que sim com a cabeça e ele deitou-a por debaixo dele,afastei-me e fiquei a observá-los.Ela gemia agarrada a ele,enquanto ele lhe tirava,
sôfregamente a camisa e a cueca e fazia o mesmo aos calções que trazia,ficando nús.Ela abriu as pernas,queria-o desesperadamente dentro dela,
isso saltava á vista,mas ele aguentou sem fazer logo o que ela queria e meteu-lhe a piça no meio das mamas apertando-as contra ela.O tesão era tanto que ela só o puxava para baixo e ele, não resistindo mais,fez-lhe a vontade e enterrou-lhe a piça(bem maior que a minha)bem lá no fundo fazendo-a gemer e gritar até se vir.Ele ficou ainda a comê-la com fortes estocadas até se vir também,urrando de prazer e eu numa confusão total quase nem acreditando que a minha mulher tivera a coragem de foder com o meu grande amigo na minha frente. Continuaram pela noite fora,fodendo com vontade nas mais variadas posições,mais tarde entrei também na"festa",mas o melhor foi mesmo as sensações sentidas pelo impensável,repentino
mas luxurioso "encornanço" da minha mulher.
publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 15:29
link do post | comentar | favorito
Sexta-feira, 6 de Junho de 2008

Ela gosta de levar na Cara


Ela gosta de levar na Cara
Tudo começou em uma danceteria, eu tava dando umas voltas pelo lugar, pra ver se achava uma gata quando eu vi uma mulher de uns 30 anos, cabelos meio avermelhados, os olhos de uma cor que eu nunca tinha visto, era um azul acinzentado que dava a ela uma beleza exótica. Quando eu passei em frente dela ela me olhou e me deu um sorriso, na segunda vez que eu passei eu já parei pra falar com ela, e papo vai, papo vem começamos a ficar. E quando o clima esquentou muito resolvemos sair dali, ela não queria ir para um motel e me pediu para leva-la em casa.

Quando parei em frente a sua casa ela me disse que morava com os pais e eu não poderia entrar mas se a gente quisesse brincaria um pouco no carro. Dai começou a pegação e a mulher foi ficando louca até que ela tirou minha camisa, abriu minha calça e disse "voce vai ter o melhor boquete da sua vida". E realmente ela sabia chupar um pau, ela levava meu pau até a garganta e fazia uns movimentos com a lingua que me deixava louco.
Quando eu estava quase gozando ela parou, me olhou nos olhos e com a cara mais puta me disse " se gozar na minha boca, vai ter que me comer até encher todos meus buracos de porra, e terminou com um - consegue? Desafiador.

Na hora segurei os cabelos dela e puxei sua cabeça até meu pau e cravei fundo e fiquei metendo na boca dela, nessa hora a mulher se desarmou e falou, "assim mesmo, eu gosto de homem que me trata como puta", foi a senha, ela voltou a chupar, quando ia gozar atolei o máximo que pude e dei o primeiro jato na garganta dela, logo em seguida puxei seu cabelo pra trás e terminei de gozar no seu rosto, ela ficou louca e passava a mão pelo rosto pra recolher toda a porra. Eu ja fui virando ela de quatro e tirando a sua roupa, dei uma chupada na sua boceta e meti de uma vez só, e fiquei ali socando, quando ela começou a pedir pra falar umas sacanagens, chamar ela de puta e pra bater.

Dei uns tapas na bunda e e ela pedia cada vez mais e ela sempre pedia mais forte, até que ela disse bate que nem homem, seu viado, ai eu fiquei puto, sentei no banco fiz ela sentar no meu pau, empurrei ela contra o painel, ela veio pra me beijar eu dei um tapa na cara dela e falei eu não beijo puta gozada. Dai ela ficou louca e tentava vir me beijar e a cada vez eu batia mais forte até que ela colocou minhas mãos em seu pescoço e pediu pra apertar que ela ia gozar.

Comecei a apertar e ela começou a gozar, ela parecia um animal gozando, ela urrava e eu apertando cada vez mais seu pescoço até que sua boceta começou a dar uns espasmos apertando muito o meu pau, chegava a doer e eu não aguentei e tambem gozei muito, enchendo a bucetinha de porra. Quando ela se recuperou do gozo, ela me explicou que ao sufoca-la sua boceta começa ter uns espasmos e ela goza como uma égua.

Quando olhamos pra fora do carro já era de manhã e tinhas algumas pessoas passando pela rua para ir comprar pão, então decidimos que o cuzinho vai ficar pra uma próxima vez.
publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 14:32
link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 5 de Junho de 2008

Corno


O que vou lhes contar é verídico, moramos em bh e minha esposa tem um amante fixo que chamo de Ed, algumas vezes
nos encontramos para transas em moteis e tambem em nossa casa, quando estamos sós eu e ela. Antes do periodo de ferias, nos encrontramos duas vezes seguidas em nossa residencia, onde rolou a maior suruba, em que a minha esposa morena e de bb arrebitado e muito gostosa, nos forneceu seu cuzinho, algo que ela não faz com muita frequencia.

Mas no auge da sacanagem ela me convence a permitir que seu macho pauzudo e sarado me brindasse com sua enorme rola, que eu ja tinha inclusie chupado muito com ele enfiado em sua xaninha depilada e cheirosa em especial quando esta recheada com uma rola do porte de Ed.
Me preparei, pois meu cuzinho já não é mais vigem, lubrifiquei e sentei em cima deixando ele escorregar de vagarinho, até engoli-lo todo.

Ele me segurou pela cintura e bombou como um louco me fazendo ver estrelas, depois me virou de quatro e bombou forte e eu não estava aguentando o ritimo pois parecia que chegava na minha barriga de tão grande e grosso.Minha putinha delirava e gozava enquanto seu marido estava sendo enrrabado brutalmente pelo caralhudo do seu amante.Não aguentando mais quis sair de baixo dele, mas ele me virou de lado e me forçou a recebe-lo

até gosar e me encher o rabo de leite. No outro dia ele voltou, e me comeu comigo traçando a minha mulher na posição papai e mamãe, e ela abria minha bunda com as mãos para ele penetrar fundo.Gosamos os tres nessa posição, e mais uma vez levei porra no cu que escorreu em abundancia e me dando o maior tesão, tanto que dormi sem tomar banho, para não lavar o rabo que ja estava lavado de esporra.
publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 15:20
link do post | comentar | favorito

1ª Vez Com Travesti!


Sempre tive curiosidade em sair com travestis
passo sempre nas ruas que elas estão, elas são muito sensuais.
Até que um dia voltando de uma festa resolvi sair com uma,
ela era tinha belo preto uma bunda deliciosa e peitos esculturais,
( passei mal só de olhar!).... Como estava meio sem grana para ir ao motel começamos no carro onde coloquei a mão na coxa dela e fui subindo chegar na calcinha, ela por sua vez já tinha aberto meu zíper e estava me punhetando, após algum tempo ela tirou minha mão de cima da sua calcinha e começou uma bela chupada, nossa na verdade ela devorava meu pau com sua boca...... e sua baba ia escorrendo até minhas bolas que recebiam uma massagem até que sua mão foi escorrendo pela minhas bolas, coxas, bunda, e terminando no meu cuzinho virgem.... onde depois enfiou o dedo ( o que por sinal passei muito mal... fiquei louco) vendo minha reação ela pediu para que eu ficasse de 4 .... ela começou a lamber meu cuzinho e eu naum agüentava é uma delicia ser chupado nossa!!!! Rebolei muito na cara dela....Quando virei e vi sua pica.... já estava quase explodindo peguei ela e comecei a punhetar, depois comecei a chupar ...a boneca gemia muito me chamava de puta, safada, até que ela estava quase pra gozar, ai pedi para me comer ( que alias ela naum pensou 2 vezes...) me virou e encostou sua cabecinha na entrada da minha bundinha e entrou de uma vez.... não demorou muito ela já tava bombando com toda força.... nossa foi demais.... até que gozamos juntos...
publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 15:18
link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 4 de Junho de 2008

Minha esposa numa festa


Minha esposa na festa da cidade de praia...
Meu nome é Marcos e minha esposa é a Patricia.
Temos ambos 34 anos e ela é uma morena linda
com uma bunda de fechar o comércio.
Haviamos planejado aquele final de semana para
exibi-la na praia.
Comprei biquinis bem ousados, alguns minusculos,
outros transparentes quando molhados.
Comprei uma mini-saia de colegial e
alguns tops que quase nao seguravam
os peitos grandes que ela tem.

No primeiro dia da praia, ela colocou um biquini branquinho que ficava bem transparente. Foi a agua e quando saiu me convidou para dar uma volta por aquela praia. Praia de surfistas, deixei ela ir na frente para poder ver a reação da machaiada. Ela recebia várias cantadas. Colocava a maior parte das mulheres na praia no chinelo.

Ao final da praia, um grupo de rapazes meio que a cercou e eu cheguei junto. Mesmo assim eles não perderam a oportunidade, e convidaram a nós dois para uma rave que iria ocorrer naquela noite em uma praia afastada da cidade.

Pegamos os convites e voltamos para o chalé alugado onde trepamos como coelhinhos lembrando as cantadas da praia. Quando acordamos decidimos que iriamos naquela festa. Comecei a separar a roupa para ela usar. Não tive muito trabalho. Estava muito quente e separei a mini-saia, um topzinho que deixava a barriguinha dela bem a vista e uma calcinha minuscula para nao marcar.

Como já não somos desta geração, chegamos na festa as 23:00 e ela ainda estava vazia. Aproveitamos para beber pois até a 1 da manha bebida era livre.

Depois da 1 começou a encher a festa. Uma garotada bonita, moças lindas e rapazes idem. A musica começou a bombar e eu que não sou muito de dançar ficava só por perto da Paty e as vezes a deixava só para trazer mais bebidas.

Em uma destas vezes, quando voltei ela tinha sido rodeada por um grupo de rapazes bonitos. Ela dançava sensualmente no meio da rodinha. Olhei para ela que me deu uma piscadela e eu fiquei a observar.

Após algum tempo os rapazes começaram a ficar mais ousados e eles mesmo traziam bebida para minha Paty que começava a dançar cada vez mais sensualmente. Vira e mexe dois dos rapazes chegavam mais perto para colocar ela no meio dos dois. Percebi algumas passadas de mào mais ousadas em sua barriga e logo a seguir subindo e descendo pela lateral do corpo.

Nesta hora ela sai da rodinha em direção ao banheiro. Vou atras dela que entra no banheiro. Deppois de alguns minutos ela sai, sinto a mão dela entrando pelo bolso de minha bermuda e cochicha em meu ouvido: "Ou voce me leva embora daqui agora ou não me responsabilizo mais pelo que vai acontecer".

Senti o hálito de alcool e o cheiro de suor misturado. Sua mao massageava meu pau em meu bolso. Digo para ela: "Quero ficar mais um pouco...estou adorando ver seu show de dança"

Com isto ela tira a mao de meu bolso, e vai em direção a pista de dança, da uma olhadinha para tras e me manda um beijo no ar. Ponho minha mao no bolso e descubro que ela havia tirado a calcinha no banheiro e enfiado ela no meu bolso.

A garotada fez festa para ela quando voltou e começaram a leva-la para um canto mais escuro onde de longe acompanhava que a dança estava quase se transformando em uma esfregação total. Uma hora percebi a mao dela passando na frente da bermuda de um dos rapazes, um mulato forte, alto.

Logo a seguir ele pega ela pela mão e começa a puxa-la em direção ao estacionamento. Eu me posiciono entre eles e a porta e quando ela passa por mim ela me manda outro beijo, desta vez com a cara mais safada que eu já tinha visto.

Sigo os dois mas mantenho uma certa distância para ele não perceber. O mulato e ela começam a se beijar. A mão dele passeia pelo corpo inteiro dela. Quando sobe pela perna dela percebe que ela está sem calcinha.

Ele fica com as maos entre as pernas dela provavelmente com os dedos em seu grelinho e bucetinha. Vira ela de costas e coloca uma mao por baixo da saia dela naquela bucetinha e a outra começa a subir o topzinho deixando os peitos dela expostos e sendo massageados por aquela mao grande.

De longe começo a ouvir os gemidos de prazer de minha mulher na mao daquele mulato. Percebi que aquele ponto seria decisivo em nossas vidas. Que nossas fantasias poderiam todas se tornar realidade.

Ela se vira ajoelha na frente daquele mulato e abaixa a bermuda dele liberando um mastro preto e duro que bate em seu rosto. Ela bota aquele pau grosso na boca e começa a chupar como se fosse a ultima coisa que fosse fazer na vida.

Depois de um tempo ele a levanta, cochicham algo um no ouvido do outro e percebo que ela ficou desapontada. Ele sobe a bermuda e sai em direção à festa. Ele passa por mim sem perceber e eu corro na diração dela que me diz: "quero um pau agora".

Eu viro ela de costas abaixo ela sobre o capo do carro em que estava encostada, abaixo minha bermuda, levanto a saia dela e entro de uma vez na bocetinha encharcada de minha esposa. Começo a meter com força, faço-a gritar de tesao. Depois de alguns minutos nao aguento e encho aquela bocetinha de porra.

Quando olho para o lado o mulato estava atrás de nós novamente punhetando aquele pau enorme com uma mao e segurando uma camisinha com outra. Ele me puxa para o lado, coloca a camisinha, vira a minha esposa de frente coloca-a sentada no capo do carro. Sem falar nada enterra aquela vara negra em minha Patizinha. Aos poucos vai entrando cada vez mais. QUando as bolas dele encostam naquela bundinha percebo que ela esta gozando novamente.

Ele da um tempo para ela se acostumar com tudo aquilo dentro da bocetinha e depois começa o vai e vem cada vez mais forte, tirando e enterrando aquele pau grosso naquela bocetinha que nunca mais seria a mesma. Ela começa a gozar ininterruptamente, gemendo, xingando puxando ele para dentro dela.

Ele começa a enterrar mais rapida e profundamente se aproximando do gozo. Em um movimento rápido tira aquela vara de dentro dela, arranca a camisinha e puxa o rosto dela para aquela vara.

As primeiras esguichadas vao em seu rosto e cabelo, enquanto ela procura com a boca aquele pau negro. Ele goza na boca, ela engole o que consegue e deixa escorrer pelo corpo uma quantidade enorme de porra. Eu que estava me punhetando olhando tudo acontecer gozo também em cima do rosto dela.

Depois de gozar ele limpa o pau no top levantado, me dá um tapinha nas costas e sai sorrindo.

Ajudo minha esposa a se recompor, nao ha muito o que fazer. Ajusto a saia dela subo o top por cima da porra que estava escorrendo no peito dela. O cabelo dela cheio de porra deixa-a com um ar de vadia. O sorriso em seu rosto confirma. Para chegar a nosso carro, que estava no estacionamento do outro lado, tivemos de passar pelo salao. Ela ouviu muitos assobios e alguns rapagoes mais ousados ainda deram uma passada de mao na minha esposa.

Antes de entrar no carro beijei-a longamente.
O sabor era diferente. E para sempre o foi.
publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 14:52
link do post | comentar | favorito

Esposa Exibida


ESPOSA EXIBIDA
de um certo tempo para ca começei a
senti tesao em ver minha esposa
usando roupas que chamasce atençao
coisa que nao gostava começei comprar
roupas curtas tranparentes e
indecentes para ela, ela estranhou
agurmentou que eu nao deixava ela usar,
mas falei para ela que mudei de ideia e que agora deixaria mas so comigo,mas ela nao aprovou muito a ideia e que nao ioria usar em qualquer lugar, um dia chamei para irmos ao shoping e que ela tinha que ir com umas das roupas que comprei ela nao aceitou mas de tanto neu ensistir ela colocou uma blusinha branca trasparente que dava para ver aquele peitinho durinho igualsinho uma pera so o bico do peito dela mede quase 2 cm uma delicia e colocou uma calcinha que atraz so tinha um fio e na frente 2 dedinhos com saia de crepe que dava para ver sertinho a calcinha, meu amigo o shoping parou para ver minha esposa nao tinha um que nao olhava aquilo so foi me dando tesao e comecie a pedir a ela para provocar, sumimos varias vezes de escada rolante que quem esta em baixo dava para ver, deixar cai coisa no chao para ela se abaixar e pegar ai os peitinho dela aparecia tudo, vamos para a praça de alimentaçao e pedir para ela ficar com a perna aberta de vez enquando para nao dar muito na pinta com aquilo os machos nao tiravam o olho dela e o meu tesao so aumentava, quando o garzon vei pedir para ela se curva um pouco para os peitinho dela ficar de fora, o garçon ficou doido nao sabia o que fazer, quando estavamos indo embora pedir para ela colocar a sai um pouco para cima no carro para deixa-la amostra e deixa-se umas da alça da blusa caida praticamente aparecendo o bico do peito dela, na garita do shoping na hora de pagar era uma sapata por conhecidencia ela ficou doida e virou para ela e falou que ela era muito gostosa que chupara ela toda aquilo fiquei doido e pedir p/ minha esposa mostra tudo para ela ali rapinho e ela ficou peladinha para delirio da sapata e vomos embora alegres e doido para comercamos uma foda legal que nao estavamos aguentando mais para trasarmos.
publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 14:50
link do post | comentar | favorito

Sou comida no escritorio


Até no escritório eu sou comida!!!
Já escrevi vários relatos verídicos ...
aqui vai mais um!
Trabalho numa empresa que só
tem mulheres...umas 30!!
Outro dia estava na mesa de uma colega
discutindo um assunto quando ouvi uma voz masculina dizendo:
Caracas!! Assim não dá pra trabalhar, pô!!

Quando olhei pra trás pra ver o que estava acontecendo me deparei com o técnico dos computadores olhando pra mim, pois eu estava de costas pra ele debruçada na mesa usando um vestido curto e soltinho e imagino que até minha calcinha ele estava vendo!!!
Fiquei vermelha de raiva enquanto minhas colegas riam da situação! Saí enfurecida pra minha mesa, mas ao mesmo tempo com um tesão gostoso. Aos 48 anos, casada, baixinha, loira, olhos verdes e ainda torneada me sinto a mais bonita do escritório...rsrs.

Casada há 24 anos, só comecei a trair e gozar este ano e desta vez não foi diferente.
Como gosto de ficar até um pouco além do expediente pra deixar tudo organizado pro dia seguinte e assim que as colegas foram embora resolvi tomar um café!
Estava me servindo quando me senti fortemente abraçada por trás e senti um pinto duro me encostando!!!

Logo imaginei quem era pois passei a tarde toda sonhando com aquele homem, o técnico, lindo de uns 30 e poucos anos. Desta vez eu nem relutei e ainda perguntei se ele tinha gostado do que tinha visto! Ele não respondeu e começou a me bolinar todinha... apertava meus seios enquanto me encochava com seu pau duríssimo! Eu já estava excitada quando ele me virou de frente, arriou meu vestido, me pos sentada na mesa da copa, tirou seu pau pra fora e disse:
-Xupa coroa loira ... sinta o sabor dessa pica!!!

Olhei pro pau dele e fiquei maravilhada com a beleza dele...não era muito grande...mas era o mais bonito que já tinha visto!!!! Mamei todinha aquela pica e ele tirou da minha boca dizendo que só queria comer o cuzinho da “coroa”.
Me pôs de 4 na mesa, tirou minha calcinha e tomei o maior banho de língua da minha vida!!!! Ia da buceta pro cuzinho o que me deixou LOUCA de tesão. Ficou uns 5 minutos assim quando senti sua pica no meu rabo todo molhado que entrou facilmente me fazendo gritar e gemer de prazer. Ele não falava nada e metia gostoso quando senti meu rabo quentinho com tanta porra que ele soltou.

Fiquei debruçada na mesa relaxando e quando me recompus, ele simplesmente havia ido embora sem nada dizer. Prá variar, ao procurar minha calcinha, ele tinha levado embora e eu fui pra casa sem calcinha e “tocando” minha buceta em todo farol que eu parava até chegar em casa e gozar de novo no banheiro!!
De mulher recatada pra virar uma putinha insaciável, basta o tesão subir a cabeça.... bjs a todos que lerem esse relato!!!
publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 14:48
link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 3 de Junho de 2008

Experimentei, doeu , mas gostei...


Experimentei, doeu , mas gostei...
Sou casado, 40 anos, 100% hetero, até o dia desse conto, estava na casa deum colega da faculdade, terminando umtrabalho, assim que terminamos, começamos a tomar umas cervejas, perguntei a ele o porque o casamento dele não tinha dado certo, ele me contou que sua esposa havia pego ele na cama com um primo, ri da situação, e falei pra ele: vc é gay? ele me disse que não, mas que curtia de vez em quando um macho sim.Bom a conversa foi esquentando, e claro ficamos excitados com o papo, levantei e o volume na minha calça era visível, ele me disse, vá tomar um banho gelado que o tesão passa...rsrrsrs, assim o fiz, quando estava no banho ele chegou com a toalha, já nu e me falou que tambem ia tomar banho, ohei pro seu cacete, estava duro tambem, e era grosso pra caramba. Fiz menção de sair do box, mas ele não deixou, pegou no meu pau se ajoelhou e começou a me chupar, aquilo foi me deixando louco de tesão, entramos em baixo do chuveiro, e ele continuou me chupando, me chupava e seus dedos procuravam minha bunda, ele introduziu um dedo no meu rabo, que delicia, ficou assim por uns 15 min, quando se levantou, pegou na minha mão e pos no seu pau, comecei a bater uma punhetinha pra ele, ele forçou minha cabeça pra baixo.Abaixei e comecei a chupar seu pau, ao me abaixar, minha bunda ficou exposta aos seus dedos, eu chupava e ele me fodia com o dedo, fomos para o seu quarto, ele me deitou em sua cama e recomeçou a me chupar, me virando de bruços começou a passar a lingua na minha bunda, abrindo minhas pernas ao maximo, quando vi ele ja tinha colocado a camisinha e se preparava para me enrabar, gelei, pois sabia que doeria( quem diz que não doi dar o cu, ou nunca deu, ou é um grande mentiroso)ele começou a pincelar o pau na minha bunda, passou KY, e começou a me penetrar, que dor, doia muito meus olhos começaram a lacrimejar.Pedi á ele que tirasse, ele me segurou e me falou para ter calma, que a dor ja ia passar, e enfiava mais um pouco, e começou a por e a tirar, cada vez mais rapido,até que gozou muito , tirou o pau da minha bunda, e voltou a me chupar punhetando, gozei em seu peito, barriga, e rosto, fui tomar outro banho, coloquei minha roupa e sai , andando até com uma certa dificuldade, meu rabo ficou uns 3 dias ainda dolorido, mas depois passou, e para ser bem honesto, doeu, mas foi bom viu......... um abraço a todos que lerem esse relato, e saibam que é verdadeiro.
tampabay@ig.com.br
publicado por Contos dos Leitores da Atrevida às 16:18
link do post | comentar | favorito

.CONTOS

.pesquisar

 

.Fevereiro 2009

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28


.Posts recentes

. A caminho do Hotel

. De regresso a casa

. A Rainha da noite...

. Passagem de Ano a 3

. Leitura em dia

. Uma Estranha no café..

. ...

. Fodi a amiga da minha mul...

. Eu e o Pastor Alemao

. Broche no Trabalho

. Paragem inesquecivel

. Os gemidos do quarto ao L...

. Paragem inesquecivel

. Primos da minha Mulher

. O meu homem a dias

. Ferias nos Açores

. Desejos GAY

. Como eu já tinha contado ...

. O desafio

. EU Mais minha Mulher e Ou...

. Conto erotico de Natal

. Conto erotico de Natal

. O sonho

. A Frincha da Porta eu Ent...

. Amiga Carente

. Uma Mulher ...

. Divinal...com imenso praz...

. Sessao GAY

. Bom Menage

. No Bar onde Trabalhei

.Arquivos

. Fevereiro 2009

. Janeiro 2009

. Dezembro 2008

. Novembro 2008

. Outubro 2008

. Setembro 2008

. Agosto 2008

. Julho 2008

. Junho 2008

. Maio 2008

. Abril 2008

. Março 2008

. Fevereiro 2008

. Dezembro 2007

. Novembro 2007

. Outubro 2007

. Setembro 2007

. Agosto 2007

. Julho 2007

. Junho 2007

. Maio 2007

. Abril 2007

. Março 2007

. Fevereiro 2007

. Janeiro 2007

. Dezembro 2006

. Novembro 2006

.tags

. todas as tags

.links

blogs SAPO

.subscrever feeds